Cuiabá,

sexta-feira, 19

de 

abril

 de 

2024
.

Bonilha diz que Agecopa não tem obrigação de investir nos clubes

Tão
logo assumiu a superintendência da Federação Mato-grossense de Futebol, o
presidente do Sinop, Altair Cavaglieri, disse que iria “exigir” da Agecopa uma
maior participação dos times no processo que envolve a Copa do Mundo de 2014.
Alguns dirigentes adotaram o mesmo discurso, inclusive dizendo que pretendem
pedir ajuda financeira da autarquia para o futebol regional. Mas, esta não deve
ser uma empreitada fácil. Pelo menos segundo informa a primeira posição oficial
da Agecopa sobre o assunto.

Ao jornal Folha do Estado, o diretor de Articulação
Interestitucional da Agência, Agripino Bonilha Filho, disse que a Agecopa só
tem obrigação com as obras que envolvem o Mundial. Mesmo defendendo esta
posição de ‘descompromisso’ com os clubes ou com o futebol do momento, o
dirigente ressaltou ser esta uma posição da autarquia, que pode ser mudada se o
governador Silval Barbosa assim quiser. Não somos donos da Agecopa, mas nossa
ajuda até o momento será apenas em mostrar o caminho para os dirigentes”.

“Quando estávamos na busca em transformar Cuiabá em sede
contratamos a empresa Delloitte, que organizou os trabalhos na Alemanha e
África do

Sul, dois últimos países que sediaram a Copa. No projeto constam
25 programas que estamos executando, e foram aprovados pela Fifa. Ela não exige
que exista uma ajuda ao esporte local. A própria vinda da Copa já serve de
incentivo aos dirigentes buscarem se reerguer”, disse Bonilha.

De acordo com o diretor, foi ele quem sugeriu mais um projeto o
26º, no caso. “Vamos contratar o Sebrae – MT, para realizar um diagnóstico do
esporte mato-grossense, em especial o futebol. Buscar o porquê, essa modalidade
está desse jeito. Com esse estudo vamos apresentar as diretrizes para que
exista uma melhora”, completou.

Bonilha, disse ainda que a intenção é trazer pessoas renomadas
no esporte para ensinar

como se deve administrar um clube, com palestras e oficinas para
os envolvidos com o esporte.

“Nosso problema é que falta uma gestão de qualidade. Até maio do
ano que vem, vamos apresentar algumas soluções para eles. Nossa finalidade é
pensar

em organizar as obras. No orçamento da agência não consta uma
ajuda aos clubes”, finalizou.

Notícias Relacionadas

Comentários

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here