Foto: Jorge Pinho


Técnicos da Secretaria Municipal de Educação (SME), da Rede de Proteção as Pessoas em Situação de Violência, realizaram nesta terça-feira (23), uma capacitação destinada a instrutores e monitores do Programa Bom de Bola, Bom de Escola, da Prefeitura de Cuiabá. Pela manhã os participantes receberam orientações e no período da tarde foram realizadas oficinas. 

O objetivo é preparar os profissionais para orientar os 800 alunos da rede municipal de Ensino, atendidos pelo programa, visando a prevenção da violência. 

“É um trabalho intenso principalmente para quem convive com as crianças. Os monitores precisam estar preparados para orientar os alunos e encaminhar, junto a Secretaria de Educação, essas situações, visto que as crianças vivem em vulnerabilidade”, explicou a técnica Vania Joceli Araújo, da Rede de Proteção a Pessoas em Situação de Violência.

Vania Araújo, uma das facilitadoras do tema junto aos 30 técnicos do programa, disse que o trabalho da equipe técnica da rede pública municipal de Ensino, é justamente fazer a orientação necessária, de forma a preparar a criança para convivência saudável, na família e dentro do programa.

Durante o curso foram abordados vários temas entre eles a prevenção, o surgimento das situações, os encaminhamentos que devem ser feitos, o que fazer com a demanda. Para reforçar o trabalho de orientação, a qualificação contou com a presença de técnicos do Conselho Tutelar de Cuiabá, já que a entidade é a porta de entrada para as várias situações.

“Para as crianças o resultado é significativo porque a partir do momento que o problema é identificado, a criança é retirada da situação de vulnerabilidade, e passa a receber os cuidados necessários. Então os resultados são positivos”, pontuou Vania Araújo, salientando que no processo de orientação, é possível evitar outros tipos de violência contra as crianças.

“Violência sexual, violência física, negligencia, omissão, situação de drogas em todas essas questões estamos orientando”.

Para o presidente do Instituto Para o Desenvolvimento Econômico, Ambiental, Esportivo e Social de Mato Grosso (IDEAES) – executor do programa -, Mário Marcio Pécora, a qualificação é importante.  “Nós temos tido cuidado para que os monitores e instrutores fiquem atentos a todas essas situações e possam orientar as nossas crianças para que possamos combater essas práticas”, disse Pecora ao lembrar que o trabalho de sondagem junto as crianças é feito graças a proximidade com as unidades escolares e a Secretaria Municipal de Educação. “São emitidos relatórios diários por meio de mapas e registradas as ocorrências, caso seja necessário. Sempre que identificamos algo que foge do padrão a nossa pedagoga entra em contato com a secretaria e com a unidade escolar para dirimir as dúvidas e dar os encaminhamentos à situação”, destacou.

Jane Regina da Silva Costa, responsável pela Coordenadoria de Programas e Projetos da Secretaria Municipal de Educação de Cuiabá, disse que é pratica da atual gestão escolar municipal o acompanhamento dos programas educacionais, incluindo o “Bom de Bola, Bom de Escola”. “A orientação aos alunos em relação a essa temática é automática, em toda a rede pública municipal de Educação e também nos programas desenvolvidos junto à comunidade escolar”, destacou Jane Regina.  

Programa

O Programa Bom de Bola, Bom de Escola atende quase 800 alunos da rede municipal de ensino, de 06 a 14 anos, nas quatro regionais da capital, em campos e quadras nos bairros Pedra 90, CPA, Coophamil e Dom Aquino.

O programa tem como foco auxiliar na educação, com atividades no contra turno escolar visando a formação integral e humanizada, ao mesmo tempo em que promove a saúde por meio da pratica esportiva, nas modalidades de futebol e futsal. 

Além disso, por meio do Bom de Bola, Bom de Escola está sendo resgatada a história do futebol cuiabano, com o projeto Meu Time, Minha Paixão. 

Por: Da Redação com Prefeitura de Cuiabá


Foto: Jorge Pinho

Foto: Jorge Pinho