Dois gigantes e um sonho: o tricampeonato. É com este espírito que o Cuiabá Arsenal e o Coritiba Crocodiles se preparam para a final da Conferência Centro-Sul do Campeonato Brasileiro de Futebol Americano, que ocorre no dia 21 de novembro, às 18h, na Arena Pantanal, em Mato Grosso. Quem perder está automaticamente fora da disputa. Além do título inédito, há outro sonho que o Arsenal deseja conquistar: o maior público de futebol americano da história do país, 10 mil pessoas.

Toda essa história começou em 2009 durante o Pantanal Bowl 3, quando o time paranaense venceu Mato Grosso por 20 a 18, mas quem levou o título foi o Arsenal pelo saldo de pontos. Em 2010, o Arsenal voltou a vencer o Crocodiles por 49 a 21, na final da Liga Brasileira de Futebol Americano e em 2012, por 31 a 23 na final do Campeonato Brasileiro. Nos dois últimos anos, o Crocodiles sobressaiu, em 2013 ficou com o título, deixando o Arsenal nas quartas de final, e em 2014 na semifinal do Campeonato Brasileiro, quando os curitibanos adiaram mais uma vez o sonho do tricampeonato mato-grossense, por 35 a 21.

“Desde 2010, quando vencemos por uma diferença considerável, todos os jogos são duros, tensos e muito disputados. Em 2012, veio mais uma vitória do Arsenal e em 2014, o Croco, com duas vitórias expressivas em cima do Arsenal, sagrou-se bicampeão. Em 2015, novamente nos encontramos em mais um duelo acirrado no qual tivemos uma vitória apertada. Agora, vamos fazer a final de Conferência dentro da Arena, palco de Copa do Mundo, onde tudo pode acontecer. Lembrando que, o que perder deixa o torneio e também a possibilidade de ser o primeiro tricampeão brasileiro”.

No entanto, o presidente deixa claro que essa rivalidade é saudável e não ultrapassa as marcações do campo. “É o resultado do crescimento e fortalecimento do esporte dentro do Brasil e só tende a aumentar de forma saudável. Os dois times buscam a vitória sempre que se encontram, mas fora de campo as equipes se mantêm juntas em prol do esporte, da amizade e do respeito. Tanto é que os jogadores nossos e deles defenderam juntos as cores do Brasil durante a Copa do Mundo de Futebol Americano”.

Para o presidente do Coritiba Crocodiles, Gerard Kaghtazian, o clássico entre Crocodiles e Arsenal pode ser considerado um dos melhores do país, pois reúne duas das maiores equipes, as mais vitoriosas. "Uma das duas sempre esteve presente em todas as finais dos cinco Brasil Bowls comando quatro títulos nacionais. É um equilíbrio absoluto e quem vencer esse jogo vai dar um passo a frente do outro, o que sempre se torna uma motivação. Eu não posso esperar nada além de um grande jogo, um grande espetáculo e quem for presenciar não vai se arrepender”.

De acordo com o diretor do Arsenal, Raulin Leal, este jogo exigirá um grande preparo emocional. “Quando se trata de jogar com rivais é sempre mais difícil, mas acreditamos na capacidade de nossa equipe em superar as adversidades em busca do título na superfinal em Recife, Pernambuco, onde poderemos ser campeões brasileiro pela terceira vez”.

O capitão da equipe, Igor Mota, lembra que os jogos entre as duas equipes sempre foram muito dinâmicos, como é o exemplo da grande final de 2012, em que o placar do jogo oscilava o tempo todo. “É um clássico e, bem por isso, nada pode ser previsível. A vitória e a derrota caminham lado a lado e vence quem conseguir errar menos”, conta. O capitão salienta que a última derrota foi muito dolorida para o Arsenal o que aumentou a vontade de jogar contra os curitibanos novamente. “Esta é a nossa oportunidade de reverter o placar e por a prova nosso trabalho e preparação. Será um jogo para marcar história”.

Ingressos

Os ingressos estão à venda na Livraria Janina da Unic, Univag, Centro, Shopping Três Américas, Pantanal Shopping e pelo site MT Ingressos. Para o setor Leste e Oeste inferior o custo será de R$ 30 (inteira) e R$ 15 (meia-entrada); e para o setor Leste superior o custo será de R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia-entrada). Já o setor Sul inferior, destinado à torcida do Coritiba Crocodiles, o custo será de R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia-entrada). Não pagam ingresso as Pessoas com Deficiência (PcD) e crianças de até 8 anos.

Foto: Rogério Florentino Pereira

Por: Redação