Depois da temporada 2015, o Cuiabá Arsenal se planeja para os desafios do próximo ano. Entre as definições já acertadas pela diretoria do clube está a permanência do técnico Kenneth Joshen, que assumiu a liderança da equipe este ano, depois de três temporadas como jogador. Para o treinador, é “um privilégio e também uma honra ser o líder da equipe. Nós temos um grande grupo de rapazes e os melhores fãs no Brasil. Representar esta grande cidade é uma bênção”, afirmou.

A meta dele não poderia ser outra: “Vencer o Campeonato Nacional é o objetivo último”, afirma. No entanto, há também outros sonhos do atleta/treinador, entre eles o de acompanhar o desenvolvimento dos jogadores enquanto bons homens dentro e fora do campo e, por fim, ver eles felizes e se divertindo com o esporte.

No balanço geral de 2015, o treinador considerou que a equipe fez um bom trabalho. “Nós preparamos os jogadores durante toda a temporada para estarem na melhor posição possível para ganhar. Desafiamos eles quando foi necessário e permitimos a eles desansar quando era apropriado. Foi o nosso primeiro ano, então o futuro será certamente promissor”.

Questionado sobre os desafios que enfrentou em 2015, o técnico elencou a participação dos atletas em treinos como o maior deles, já que a maioria dos jogadores trabalha e estuda, sendo que unir todos era sempre difícil. Ele também salientou a necessidade das longas viagens para jogos fora que sempre impactam no desempenho em campo.

Na autoavaliação, KJ foi incisivo ao dizer que este foi apenas o começo. “Acho que fiz um trabalho decente em trazer a equipe de volta às raízes. Agora, a equipe está mais unida e pronta para jogar um futebol mais físico, inteligente e dominante”. Segundo ele, os jogadores já perceberam que grandes vitórias não vêm fácil, sendo necessário sacrifício, trabalho duro e dedicação. Mas ele elogiou o avanço de vários atletas que aceleraram o próprio desempenho e se tornaram líderes na equipe.

No geral, disse que a equipe melhorou os fundamentos de ética de trabalho. “A defesa como um todo fez um trabalho tremendo ao longo do ano. Também tivemos alguns caras no lado ofensivo da bola a se estabelecer bem”.

Em relação aos erros, o técnico pontuou a necessidade da equipe em se tornar mentalmente forte. “O jogo de futebol não é só beleza, às vezes você vai apanhar e será derrubado, mas como você vai retornar disso é o mais importante. Precisamos melhorar a resistência mental e aprender a terminar as coisas, melhorar ofensivamente, e cumprir o planejado. Para a próxima temporada vamos trabalhar em mais detalhes e nos preparar melhor”.

Foto: Omar Tracy/Divulgação

Por: Redação