Foto:Júnior Martins/Cuiabá Arsenal


 Um dos jogadores do Cuiabá Arsenal, Henrique Fernando Paim de Almeida, descobriu ter leucemia linfoide aos 23 anos. Hoje, aos 27, após quatro anos de quimioterapia e ainda com outros três pela frente, já passou pelo ápice da doença e promete vencê-la.

“Minha primeira reação ao descobrir foi de aceitar a morte. Passei dias recluso sem qualquer esperança de vida, nem mesmo contei para minha família. Mas, em algum instante, não sei bem qual, consegui reagir ao tormento da ideia de morte certa. Comecei a viajar, fazer aventuras e praticar futebol americano”, revela o linebacker do Cuiabá Arsenal.

Henrique Fernando, formado em Publicidade e Propaganda na Universidade Estadual do Centro-Oeste (Unicentro), no ano de 2010, nasceu e foi criado em Guarapuava (220km de Curitiba). Depois mudou-se para Campo Grande-MS em 2011, por conta de um romance com aquela que futuramente seria sua esposa.

“Conheci Janaína numa viagem para Campo Grande. Anos depois a reencontrei pela internet e passamos a conversar. Até decidirmos que eu mudaria de Guarapuava para lá. Então mudei, ficamos juntos por um tempo e, por alguma divergência, rompemos o namoro. E quando estava sozinho descobri o câncer. Fiquei recluso no início, mas depois contei para minha mãe, que veio visitar e deu de cúpido. Contou para Janaína, que se aproximou para ajudar e reatamos”, lembra.

Mesmo com as sessões semanais de quimioterapia, que deixam o paciente debilitado, Henrique começou uma jornada pelo esporte. Chegou a saltar de paraquedas, mas o escolhido foi o futebol americano. Entrou para o Campo Grande Predadores, equipe de futebol americano de Mato Grosso do Sul, e chegava a ir aos treinos com máscara de proteção pós-quimioterapia e curativos de soro. Foi quando os companheiros lhe apelidaram de Câncer.

“Quando faço quimio fico cerca de três dias ruim. Uma sensação horrível. Parece que os ossos do corpo pegam fogo. Você vomita, fica fraco, tem náuseas, insônia, dor e tontura. E nem sempre pode pegar folga do trabalho. Meu médico chegou a me receitar morfina para não sentir tanta dor. Com o tempo acostumei e passei até a ir treinar mal mesmo. Os outros jogadores ficavam preocupados. Mas acabaram por entender que eu precisava daquilo”, disse.

Em 2015, ano repleto de boas notícias, a doença teve o primeiro recuo, que permitiu diminuir a quantidade de sessões de quimioterapia. Situação que acarretou em outra boa nova, com menos medicamentos no sangue, Henrique, sem saber, voltou a ser fértil. Descobriram a novidade quando Janaína percebeu estar grávida. Uma felicidade seguida por um pedido de casamento. Depois mudaram, por oportunidades no mercado de trabalho, para Cuiabá.

“Foi um susto quando fiquei sabendo que seria pai. Eu tinha ficado estéril. Como assim vou ter um filho? Pensei. A gente nem mais se cuidava por causa disso. Então descobrimos que eu havia voltado a produzir espermatozoide, por mais incrível que pareça. E casamos com ela grávida ainda naquele ano, 2015. Hoje a bebê, de nome Yanni, está com dois meses de idade. E ela será uma torcedora do Cuiabá Arsenal”, conta com largo sorriso no rosto.

Henrique se tornou membro da Associação Atlética Cuiabá Arsenal (AACA) em 2015, logo após ter chego de mudança de Campo Grande (MS). Foi treinado pelos técnicos do clube e, neste ano de 2016, disputou a primeira partida como parte do plantel de atletas. Foi um dos responsáveis pela vitória de 76 a zero contra o Tangará Taurus, na 1ª rodada do Campeonato Mato-grossense de Futebol Americano. Segundo ele, mais um sonho realizado com sucesso.

“Sempre tive o sonho de ser pai. Por um tempo fiquei triste pensando que não seria. Mas a vida me trouxe a Yanni de presente. Outro sonho era jogar pelo Cuiabá Arsenal. Lá em Campo Grande e no Brasil todo, o Arsenal é visto como um exemplo que deve ser seguido. Tanto por conta das realizações dentro do campo, quanto por causa das ações fora dele. É um clube admirado, em que eu nem pensava um dia fazer parte. E hoje estou aqui”, reflete.

Henrique continua com as sessões mensais de quimioterapia. E, neste ano, o tumor teve uma remissão, que é quando a doença não demonstra mais sinais de atividade, mas isso ainda não é uma cura. Ele segue com o tratamento até 2018.

Por: Redação