Foto:Júnior Martins/FMTJJLA


 Crianças e adolescentes do projeto social “Lutar Pela Cidadania” tiveram a oportunidade de conhecer, na tarde de quarta-feira (29), pelas mãos do primeiro condutor da Tocha Olímpica na passagem por Cuiabá, o mestre de jiu-jítsu Francisco José Pessoa Fernandes, o bastão que carregou o fogo olímpico. Chicão levou o ícone olímpico para mostrar aos menores atendidos pelo projeto social que funciona dentro do Centro de Referência de Assistência Social (CRAS), no qual ele ministra aulas, no bairro Jardim União, na capital (MT).

O CRAS é uma unidade pública responsável por organizar e ofertar serviços de proteção básica para as famílias, no sentido de fortalecer o vínculo familiar e prevenir rupturas, e também promover o acesso e usufruto de direitos e contribuir para a melhoria da qualidade de vida de menores entre 5 e 17 anos. E, segundo a coordenadora da unidade, Edneize Velasco, atualmente atende uma média de 100 crianças por dia.

“O projeto social lutar pela cidadania, aplicado voluntariamente pelo Instituto Lutar com apoio da Federação Mato-grossense de Jiu-jítsu e Lutas Associadas (FMTJJLA), fornece educação para jovens em vulnerabilidade social por meio do jiu-jítsu e da luta olímpica. Esse projeto chega a aumentar a frequência de presença dos menores no CRAS em até 60%. Quando não tem as aulas de luta, a quantidade de crianças atendidas pelo CRAS diminui consideravelmente”, diz Velasco.

De acordo com o presidente do Instituto Lutar, Francisco Fernandes Jr, o Chiquinho, o projeto social funciona a quase dois anos dentro da unidade com aulas duas vezes na semana. Para ele, o esporte é um ingrediente necessário para a formação de crianças e adolescente. E, segundo ele, existe demanda para ampliar as aulas para cinco vezes na semana. E que a prefeitura de Cuiabá se interessou e deve fechar convênio com a instituição para atender ainda mais jovens.

“O importante é manter o esporte como forma de ocupação e desenvolvimento da criança. Se ela vai ou não se destacar como atleta em alguma modalidade, só o tempo dirá. Mas por meio dele podemos torná-las saudáveis física e mentalmente. Crianças desportistas são menos suscetíveis ao mundo das drogas, entre outros problemas sociais. O principal objetivo do projeto Lutar Pela Cidadania é de construir cidadãos e campeões da vida”, avalia Chiquinho.

Para o mestre de jiu-jítsu, o Chicão, o bastão, que se torna tocha ao receber o fogo Olímpico, possui uma simbologia muito forte e as crianças são bastante receptivas a isso. E como a maioria delas só acompanhou o revezamento da tocha pela televisão, achou-se imprescindível levar o bastão para que elas pudessem ver e tocar. O que deve funcionar como um fator extra de motivação e manutenção da frequência delas nas atividades do projeto social.

Relembre como foi a passagem da tocha por Cuiabá

Por: Redação