Foto:Junior Martins


 Jeanderson “Bigode” Rodrigues, 18 anos, de Juiz de Fora (MG), se consagrou campeão da 3ª edição do Hullks Fight Championship, torneio de luta em pé realizado no último sábado (27), organizado pela Federação de Kickboxing do Estado de Mato Grosso (FKBEMT), na Arena Pantanal, em Cuiabá. Além do cinturão e da premiação em dinheiro, o campeão ainda faturou uma vaga no World Grand Prix (WGP) Kickboxing.

“Sou de um bairro chamado São Benedito, na cidade de Juiz de Fora, em Minas Gerais. Lá é um bairro muito perigoso. Eu via criminalidade, tráfico de drogas, assassinato e várias outras coisas ao meu redor. Mas, graças a Deus, consegui sair disso. O esporte me tirou desse meio. Agora meu sonho é ser como meu mestre. Espero conseguir alcançar um patamar que me permita salvar minha família e ter boas condições de vida”, comentou o campeão, Jeanderson Bigode.

De acordo com o técnico, Felipe Silva, 30 anos, um lutador com 23 lutas e 21 vitórias no Muay Thai, mais oito lutas e oito vitórias por nocaute no MMA (Mixed Martial Arts) e uma luta e uma vitória, por nocaute no primeiro round, no UFC (Ultimate Fighting Championship), o esporte tem o poder fenomenal de mover o mundo. Segundo ele, muitos lutadores brasileiros têm histórias tristes de vida, mas a luta tem sido uma ferramenta de resgate e transformação.

“Meu caso não é diferente dos demais. Eu tive um problema sério de saúde na família. E foi o esporte que me deu forças e afastou os pensamentos negativos sobre a saúde da minha mãe. Treinar me dava forças para tentar ser uma pessoa melhor e ajudar minha família. Pode-se dizer que o Bigode sou eu 15 anos atrás. Um moleque que saiu de um lugar humilde e sem muitas oportunidades. Mas hoje já viajei por quase o mundo inteiro”, disse o técnico, Felipe Silva.

Para o presidente da Federação de Kickboxing do Estado de Mato Grosso (FKBEMT), Rodrigo Pouso Miranda, o Hullks Fight Championship é um evento mato-grossense, feito por cuiabanos e que veio para ficar. Segundo ele, a ideia de realizar um torneio de luta em pé, no estilo K1, nasceu durante uma sessão de treinos de kickboxing, numa conversa no momento de descanso entre um ciclo de exercícios e outro, em uma academia de Cuiabá.

“Mato Grosso tem ótimos lutadores, mas muitos ficam pelo caminho. Tenho vários amigos com grande potencial para competir no UFC ou em outros torneios de luta. O problema é que desistem por falta de incentivo e oportunidades. E o Hullks tem o objetivo de facilitar a vida deles. Abrir portas para que se destaquem e participem de outras competições. E já penso em realizar a quarta edição ainda neste ano. Já para o 2º semestre”, disse Rodrigo Pouso.

Por: Olhar Esportivo