Foto:Arquivo pessoal (Eduardo à esq. / Guilherme à dir.)


 Quando o assunto é artes marciais, Mato Grosso está muito bem representado. Os jovens lutadores Eduardo Nogueira, de 11 anos, e Guilherme Porto, de 14, já colecionam grandes vitórias apesar da pouca idade.

Praticante de Jiu-Jitsu desde os 5 anos, Eduardo ganhou o Campeonato Brasileiro de Jiu-Jitsu em maio e garantiu sua vaga para o Mundial, que só acontece no Brasil a cada 22 anos. A edição 2017 será no Ibirapuera, em São Paulo, dos dias 5 a 9 de julho. O jovem atleta competirá na categoria Infanto-Juvenil A, peso Galo, e tem sua luta marcada para o dia 8.

“Eu tenho mais dois filhos, além do Eduardo e os três lutam Jiu-jitsu. Além de ser saudável pra eles, a luta ajuda com que eu mantenha meus filhos disciplinados e educados, com respeito aos mais velhos e reconhecendo suas obrigações”, contou a mãe de Eduardo, Carmita.

Segundo ela, a luta é tudo para a família. O pai também pratica, e os filhos sabiam que deveriam fazer parte do esporte. Eduardo até chegou a praticar futebol por um tempo, mas quando os horários começaram a chocar com os treinos do Jiu-Jitsu, o garoto optou pela luta.

Em seu currículo, além de campão brasileiro, o atleta carrega os títulos de bicampeão mato-grossense, conquistados em 2015 e 2016, e já tem o título de 2017 encaminhado. Em seu quadro de medalhas, ostenta dezenove ouros e uma prata.

Outro futuro promissor na luta é Guilherme Porto, que pratica Luta Olímpica desde os seus 12 anos. Ele tem participado de várias seletivas, campeonatos pelo Brasil, e desde o ano passado se mantém invicto na Greco Romana, sendo o titular brasileiro da categoria 58kg.

No mês passado, Guilherme foi campeão na seletiva das Olímpiadas da Juventude, realizada no Rio de Janeiro. A conquista garantiu sua participação na More Than Medals, que acontece entre os dias 22 a 30 de julho em Manaus, e conta com a participação de 11 países. Ele também disputará os Jogos Sul-Americanos e Pan-americanos.

Para Guilherme, a Luta Olímpica proporcionou muitas viagens, oportunidades de conhecer pessoas novas, e também o ajudou a ter mais calma, já que antes do esporte, segundo ele, era um menino muito temperamental.

Cinco vezes campeão brasileiro da Greco Romana e uma vez vice-campeão escolar no estilo livre, Guilherme quer viver do esporte.

“É o que eu quero ser, eu vou batalhar muito pra representar bem o meu país. ” finalizou.

Por: Gabriela de Lima