Foto: Estádio Genervino da Fonseca em Catalão – GO (Crédito: Nathália Freitas/Sagres Online)


A diretoria do CRAC de Catalão, adversário do Operário Várzea-grandense na estreia da Série D 2020, protocolou nesta semana, junto a Federação Goiana de Futebol e a Confederação Brasileira de Futebol, a desistência do clube de disputar a competição.

O presidente do CRAC, Roberto Silva, alegou que a prefeitura de Catalão não poderá mais patrocinar a equipe por conta da epidemia de Covid-19, que resultou em maiores investimentos na saúde, impedimento a destinação de verba ao futebol. Segundo ele, a prefeitura mantinha 70% dos gastos.

Com isso, até o momento, o Operário Várzea-grandense, que teria o CRAC como adversário na estreia, não sabe se jogará na primeira rodada da 1ª fase da competição, prevista para os dias 19 e 20 de setembro.

Se mantiver a tabela atual com um time a menos na chave, o Operário-VG fará o seu primeiro jogo na Série D deste ano em casa, contra o Goianésia-GO, dias 26 ou 27 de setembro.

Porém, a Aparecidense-GO pleiteia a vaga abandonada pelo CRAC na Série D, oriunda do Campeonato Goiano 2019. O clube já manifestou interesse e a Federação Goiana de Futebol tenta a substituição junto à CBF.

Saiba mais: Operário Várzea-grandense abre negociação com zagueiro Lucão

Além do Tricolor, o grupo A5 também é composto por Águia Negra-MS, Goiânia, Goianésia-GO, Vitória-ES e União de Rondonópolis. A última vaga do grupo está em aberta e será definida no jogo entre Real Noroeste-ES e Aquidauanense-MS, na preliminar da Série D.

Leia também: Confirmado na Série D, União traça possíveis planos para a disputa

 

Por: Pedro Lima / da Redação