Foto: David Moura compete neste domingo no Grand Prix da Turquia, em Antalya


O judoca mato-grossense da seleção brasileira, David Moura (+ 100kg), está prestes a entrar no tatame pela sua segunda disputa na temporada 2019. No mês passado, com três vitórias em Ecaterimburgo, no Grand Slam da Rússia, o atleta conquistou a medalha de bronze e mais 500 pontos na disputa pela vaga na Olimpíadas 2020.

"Optei esse ano por começar a competir um pouco mais tarde, em março. Comecei a treinar bem forte no ínicio do ano, passei duas semanas e meia de treinos no Japão. Voltei, fiz toda minha preparação para esse Grand Slam da Rússia, cheguei como eu queria, lutei muito bem, estou motivado e feliz de estar nesse processo de novo", disse David Moura.

Para ele, o momento é de evoluir e variar, acrescentando novidades na forma de atuar, deixando os pontos como consequência das suas apresentações. 

"Nosso ano olímpico é de maio à maio, a partir daí, qualquer ponto que eu conquistar será 100% para Olimíadas, então esse primeiro Grand Slam da Rússia, da Turquia e Panamericano, ainda contam 50% para o ranqueamento olímpico. É um momento de não se preocupar tanto com pontos e focar nas competições, inovar, em melhorar. Claro que os pontos são importantes e vão contar", declarou David Moura.

Neste domingo(07), David compete pelo Gran Prix de Antalya, na Turquia. As preliminares iniciam a partir das 10h30 (horário turco), 3h (de Mato Grosso), com as finais às 10 horas (de MT). Para Moura, que se considera um competidor tático, o mais importante será abrangir conhecimento.

"Nessa competição eu quero testar algumas coisas que eu venho treinando, para mim será importante. Claro que sempre quero o pódio, ganhar, mas esse ano o foco é no Mundial, que será em Tokyo, então no momento eu gostaria de enfrentar alguns atletas que subiram de peso que eu ainda não lutei, para conhecer melhor o adversário. Me considero um atleta tático, quanto mais eu lutar com oponentes duros, menor a chance de perder ou ser surpreendido em uma competição mais importante. É por isso que estou aqui no Grand Prix da Turquia", afirmou o judoca acima de 100kg.

Em 2019, antes do Mundial de Tokyo, que acontece em agosto, David Moura também disputará o Panamericano, competição que conquistou ouro em Toronto 2015 e Grand Prix do Canadá, ambos em julho. 

"Acredito que o Mundial será muito importante, principalmente na minha categoria, que tem dois atletas muito bons, eu e o Rafael Silva (Baby). Uma medalha pode fazer a diferença na briga final, não só pela pontuação que é alta, mas por ser um Campeonato Mundial, em Tokyo, e a Olímpiadas também em Tokyo, no mesmo ginásio, isso conta bastante para a decisão desta vaga", completou o representante mato-grossense na seleção brasileira de judô.

Atualmente terceiro do ranking mundial de judô, David Moura, atleta do Instituto Reação(RJ) e da seleção brasileira, é campeão brasileiro, campeão sul-americano e foi vice-campeão Mundial em 2017, em Budapeste, capital da Hungria, perdendo apenas na final em uma luta acirrada contra o francês Teddy Riner, nove vezes campeão da modalidade.

 

Por: Pedro Lima / DA REDAÇÃO


Arquivo pessoal

Arquivo pessoal

David Moura no Grand Slam da Rússia - Federação Internacional de Judô