Foto:Instagram-Operário


Terminou em tristeza a caminhada do Cuiabá no Campeonato Brasileiro da Série C 2018. O Dourado viu o sonho de conquistar a competição nacional ir por água abaixo com a derrota por 1 a 0 contra Operário Ferroviário na grande final, neste sábado (22), para a frustração de 41.311 torcedores que compareceram à Arena Pantanal. Bruno Batata fez o gol do jogo que garantiu a taça para o time de Ponta Grossa-PR.

 
Logo no início, aos três minutos, a partida foi paralisada por uma hora e trinta minutos em função de uma queda na iluminação dos refletores em uma parte das arquibancadas. Com a bola rolando, o Cuiabá teve o controle das ações, criou chances de gol, mas esbarrou em uma atuação incrível do goleiro Simão. O arqueiro fez várias intervenções inacreditáveis e ajudou a equipe paranaense levar o segundo troféu seguido do Campeonato Brasileiro (o Operário venceu a Série D 2017).  
 
O JOGO 
 
Empurrado pelo seu torcedor, que foi em peso à Arena Pantanal, o Cuiabá foi melhor no primeiro tempo e esteve mais próximo de abrir o placar. E nas duas melhores oportunidades da etapa inicial, o goleiro Simão salvou o Fantasma. Na primeira chance, aos 19 minutos, Alê levantou a bola na área para Jenison cabecear contra o chão, exigindo um verdadeiro milagre do camisa 1. Antes do intervalo, Adriano Pardal tocou de cabeça, a queima-roupa, dentro da pequena área, e Simão fez outra grande defesa.
 
Mas, como dizem os jargões do futebol, “quem não faz, leva” e “a bola pune”, o Cuiabá sofreu com as máximas do mundo da bola. Aos nove minutos da etapa complementar, Quirino aproveitou o erro na saída de bola do Dourado, fez boa jogada pela esquerda e bateu forte cruzado para a defesa de Victor Souza. No rebote, o atacante Bruno Batata empurrou para o fundo das redes. 
 
O gol obrigou o Cuiabá a ir com tudo para o ataque. E foi aí que o Simão apareceu. Ele, que já havia brilhado nas semifinais ao agarrar dois pênaltis contra o Bragantino, foi novamente o herói da noite. Simão fez defesas cinematográficas, nos disparos de Danilo e Edson Borges, e, quando não pode fazer nada, ainda contou a sorte e a ajuda da trave para não ser vazado.
 
O Operário teve chances de ampliar o marcador no final, mas o placar já era suficiente para o Fantasma calar a Arena Pantanal e fazer a festa em plena Capital mato-grossense.    
 
FICHA TÉCNICA
 
CUIABÁ: Victor Souza; Jean (Bruno Alves), Ednei, Edson Borges, Danilo; Alê, Marino, Eduardo Ramos; Adriano Pardal (João Carlos), Hiltinho (Doda) e Jenison. 
Técnico: Itamar Schulle
 
OPERÁRIO: Simão, Léo, Alisson, Sosa e Peixoto (Rodrigo), Chicão, Dione (Serginho Paulista), Erick e Quirino (Robinho), Cleyton e Bruno Batata.
Técnico: Gerson Gusmão
 
GOLS: Bruno Batata (OPE – 09’/2T)
 
CARTÕES AMARELOS: 
Cuiabá: Eduardo Ramos, Alê e Ednei
Operário: Simão e Bruno Batata
 
CARTÕES VERMELHOS: não houve 
 
PÚBLICO PRESENTE: 41.311 
 
RENDA: R$ 568.295 
 
ARBITRAGEM: Marcelo de Lima Henrique (árbitro-RJ), Michael Correa (árbitro assistente-RJ) e Silbert Faria Sisquim (árbitro assistente-RJ) e Rodrigo Nunes de Sá (quarto árbitro-RJ)
 

Por: João Freitas