Foto: Guilherme Porto à direita do campeão de vôlei de praia Emanuel Rego e da estudante Maria Luíza Elói - Foto por: Alexandre Loureiro-COB


A participação de Mato Grosso na etapa nacional dos Jogos Escolares da Juventude, em Blumenau (SC), rendeu mais que medalhas e progressos ao esporte de base do Estado.  Reunindo mais quatro mil estudantes de todos os Estados brasileiros, a competição consagrou o representante mato-grossense Guilherme Porto como um dos principais atletas do país na 21ª edição do Prêmio Brasil Olímpico.

Aos 17 anos, o atleta de wrestling (luta olímpica) fez uma campanha impecável na competição escolar, conquistando duas medalhas de ouro, uma no estilo livre e outra no estilo greco-romano, ambas na categoria até 69 kg. 

O jovem talento, que havia sido vice-campeão dos Jogos Escolares entre 2015 e 2018, já representou o Brasil nos Jogos Sul-americanos da Juventude Santiago 2017, no Pan Americano Escolar 2017, também no Chile, e no Torneio Sul Americano 2016, em La Rioja na Argentina, ocasiões em que mais uma vez garantiu o título de campeão. Guilherme também disputou o Pan-americano Cadete 2019, no México, e o Mundial Escolar de Verão 2018, no Marrocos, alcançando a terceira e a segunda posição, respectivamente.

Destaque da edição 2019 dos Jogos Escolares da Juventude, o representante mato-grossense foi considerado um dos melhores atletas da competição junto com a catarinense Maria Luíza Elói (vôlei) na categoria de 15 a 17 anos. Entre os atletas de 12 a 14 anos, os eleitos foram  a pernambucana Pamela Nievilly (atletismo) e o piauiense Klerton Zaidan (badminton). A atuação dos atletas assegurou a homenagem na maior premiação do esporte brasileiro, organizada pelo Comitê Olímpico do Brasil (COB).

Guilherme Porto foi apresentado à Luta Olímpica, ou Olympic Wrestling, aos 11 anos pelo professor Chicão e desde então nunca mais parou de treinar. Todo o empenho para melhorar constantemente, com preparação física pelas manhãs e treinos durante a tarde, garante segurança ao atleta.  Tanto que, para ele, a premiação não foi uma surpresa.  “Eu almejei, treinei e me dediquei, por isso conquistei o Prêmio Brasil Olímpico”, comenta.

Aluno da Escola Estadual Padre Ernesto Camilo Barreto, em Cuiabá, o estudante está finalizando o ensino médio e pretende atuar na área de direito ou de jornalismo. Mas os planos acadêmicos e profissionais dividem espaço com os sonhos de um futuro promissor no esporte. E apesar das incertezas pela falta de propostas, Guilherme tem confiança de que sua dedicação siga lhe trazendo bons resultados.

“Na minha mente todos os dias só vem a luta, acordo pensando nisso e vou dormir pensando em como melhorar. Tenho certeza que vou colher bons frutos pois trabalho para isso. Meu sonho é ser um campeão olímpico, o primeiro da história pro Brasil”, declara confiante.

Na premiação do COB, o jovem atleta, que começou aos cinco anos no judô e jiu-jitsu, esteve ao lado dos principais atletas olímpicos, treinadores e personalidades esportivas do país. Campeões olímpicos, mundiais e pan-americanos deram a Guilherme ainda mais convicção de que o reconhecimento vem para quem se esforça. E esforço ele tem de sobra. 

O Prêmio Brasil Olímpico

Considerado o óscar do esporte nacional, o Prêmio Brasil Olímpico foi instituído em 1999 pelo Comitê Olímpico do Brasil (COB) para homenagear personalidades que ajudaram a construir a história esportiva brasileira.

Neste ano, a cerimônia de premiação aconteceu no dia 10 de dezembro, na Cidade das Artes, no Rio de Janeiro. O ginasta Arthur Nory e a pugilista Beatriz Ferreira foram eleitos como os Melhores Atletas de 2019 e o mesatenista Hugo Calderano venceu como o Atleta da Torcida.

Dentre os vencedores em cada modalidade também foram premiados: o goleiro Alisson Becker no futebol, Isaquias Queiroz na canoagem,  Ágatha Rippel e Duda Lisboa no vôlei de praia, Kahena Kunze e Martine Grael na Vela e o surfista Gabriel Medina. Relação completa de premiados e homenageados – AQUI.

Outras homenagens foram prestadas a melhores técnicos do ano, ídolos do esporte nacional que passam a integrar o Hall da Fama do COB, além de um ex-atleta com o Troféu Adhemar Ferreira da Silva. 

O Prêmio Brasil Olímpico consagrou ainda os medalhistas dos Jogos Pan-americanos Lima 2019 e destacou a confirmação do terceiro lugar da equipe brasileira no revezamento 4x100m rasos em 2008, nas Olimpíadas de Pequim.

Casado com a atleta mato-grossense Cida de Lima e morador de Cuiabá desde 2013, Vicente Lenilson fez parte da equipe homenageada pela merecida medalha de bronze nos Jogos Olímpicos. Junto com Bruno Lins, José Carlos Moreira (Codó) e Sandro Viana, o atleta recebeu a medalha olímpica após a comprovação do doping de um dos integrantes da equipe jamaicana que levou a medalha de ouro há onze anos.

Único dos quatro atletas que já tinha uma medalha olímpica (prata em Sydney 2000), Vicente é hoje coordenador de Esporte de Participação e Rendimento da Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel) e atua também com um projeto social de atletismo no Instituto que leva seu nome, em Cuiabá.

Por: Da Redação com Secel - MT


Alexandre Loureiro-COB

Alexandre Loureiro-COB