Foto: Felipe Teixeira foi um dos campeões em Cuiabá. Crédito: Júnior Martins.


Felipe Teixeira e Gilberto Lopes se sagraram campeões nas categorias Absoluto E Masculino e Absoluto D Masculino, neste domingo (29.09), em finais válidas pela Super Copa Brasil Centro-Norte-Nordeste II, no Ginásio Poliesportivo Prof. Aecim Tocantins, em Cuiabá-MT. E destacaram o calor da cidade-sede e a boa organização do evento da Confederação Brasileira de Tênis de Mesa (CBTM).

“O primeiro e o segundo dia foram tranquilos e sem calorão, mas no terceiro dia esquentou bastante. Acho que algo em torno de 35 graus. O calor para mim e para meu parceiro de duplas não atrapalhou tanto, mas atrapalhou para uma menina da nossa equipe, ela passou um pouco mau. Agora retorno para casa com um ouro, uma prata e um bronze”, diz o campeão, Felipe Teixeira, 14 anos.  

Felipe Vieira Teixeira (Fluminense Football Clube – RJ) venceu Caio Takatu (Associação Goiana de Tênis de Mesa – AGTM) por parciais de 12/10, 11/9, 8/11 e 11/8 na final do Absoluto E Masculino. E também ganhou prata no Rating L e bronze nas duplas masculinas. E Gilberto Henrique Lopes (Associação de Tênis de Mesa Oeste Paulista – AP) superou Eduardo Rondini (Clube de Tênis de Mesa Jacareí – SP) por 11/9, 12/10, 6/11 e 11/7 na final do Absoluto D.

“Eu gostei da organização da Super Copa Brasil, achei que a arbitragem estava muito boa, os jogos foram realizados dentro dos horários previstos e tudo mais estava bem sistematizado. Eu tenho tios e primos em Cuiabá e por isso dei uns passeios, fui em pontos turísticos e a culinária e a peixaria é muito boa. Dizem que aqui é a terra do Dourado, então nós tivemos que experimentar”, comenta o campeão, Gilberto Lopes, 30 anos, mesa-tenista e técnico.

De acordo com o vice-presidente da Confederação Brasileira de Tênis de Mesa (CBTM), Vilmar Schindler, a Super Copa Brasil ocorreu sem nenhum imprevisto ou percalço. Segundo ele, a iluminação funcionou adequadamente, a arbitragem e o sistema de ordenação de jogos funcionaram perfeitamente, o pessoal do staff trabalhou dentro da normalidade e tudo num ginásio com excelente estrutura esportiva.

“Cuiabá está no mapa nacional do tênis de mesa e existe a possibilidade de receber outra Copa Brasil em 2020. Precisamos fazer competições também fora do eixo Sul-Sudeste para que o tênis de mesa se desenvolva em todo o território nacional. E esses eventos ajudam a fomentar nessas regiões. Exemplo disso é Mato Grosso, que participou com 15 atletas na Copa Brasil do ano passado e nessa disputou com 27. Quase dobrou de resultado e quem sabe numa próxima edição participe com 100”, avalia o vice da CBTM, Vilmar Schindler.


Por: Com informações de Júnior Martins