Foto:Junior Martins


Escolinhas de futebol americano e flagbol para crianças, campanhas de doação de sangue, campanhas de conscientização e prevenção de doenças e acidentes de trânsito, bolsas de estudo para atletas, visitações em casas de apoio, ingresso social, doações de camisetas para leilão em prol de causas sociais, arrecadação de alimentos em prol de instituições filantrópicas, entre outros, são algumas das ações que fecham os 12 anos do projeto ‘Arsenal Social’ da Associação Atlética Cuiabá Arsenal (AACA).

“Já foram feitas mais de 130 ações ao longo da história de 12 anos do Cuiabá Arsenal. Práticas que impactaram mais de 6500 pessoas diretamente e não sabemos mensurar quantas outras atingiram indiretamente. Nossa associação surgiu entre amigos que jogavam futebol americano em abril de 2006 e desde o início pretende fazer a diferença na vida das pessoas”, conta o vice-presidente e coordenador do projeto Arsenal Social, Moisés Ferreira Salomão.

Declarado como entidade de ‘Utilidade Pública’ em 2016 (Lei N° 6049), o Cuiabá Arsenal, sem fins lucrativos, é reconhecido por participar de campanhas como ‘Maio Amarelo’, de conscientização no trânsito, ‘Setembro Amarelo’, prevenção ao suicídio, ‘Outubro Rosa e Novembro Azul’, prevenção ao câncer, apoio ao Mc Dia Feliz, campanhas de apoio ao autismo e a formação educacional e cultural de crianças, jovens e adultos do município de Cuiabá e de Mato Grosso.

“Nosso principal fundador, o Orlando Ferreira Júnior, sempre nos estimulou para o bem comum. Ele, como educador, constantemente fazia referência ao dever de se fazer o bem. E foi com esse princípio que o clube se norteou por muitos anos e continuará a se guiar.

Um dos atletas mais antigos, o lendário linebacker Ludiney Corrêa, de 32 anos de idade, membro do Cuiabá Arsenal desde 2007, tendo participado dos dois títulos nacionais (2010 e 2012) e dos dois estaduais (2015 e 2016), além de outros torneios menores, é um dos exemplos dos reflexos positivos da atuação da associação na vida dos cidadãos. Segundo ele, o padrão e qualidade de vida que possui atualmente foi diretamente influída pelo clube.

“Nasci em Poconé e cresci no bairro Jurumirim. Na época, minha família vivia em uma casa de madeira e sem piso. Era chão mesmo no lugar do piso. Éramos sete em uma casa de quatro peças. Minha mãe tinha dois empregos para manter a casa. Aos 13 anos fui morar sozinho e aos 21 entrei no Cuiabá Arsenal. Lá aprendi a conversar com as pessoas, a trabalhar em equipe, a viver melhor em família e sociedade. Não sei como teria sido minha vida sem o time”, diz Ludiney Corrêa, formado em Gestão Comercial e membro do conselho fiscal da AACA.

BALANÇO EM CAMPO

Em levantamento preliminar da história do Cuiabá Arsenal, dos atuais 12 anos e oito meses, levantou-se a realização do total de 99 partidas de futebol americano (não contabilizados jogos de flagbol, uma sub modalidade), entre torneios Bowls, amistosos, estaduais e nacionais. Constatou-se o histórico positivo de 73,7% de vitórias (73 confrontos ganhos e 26 perdidos). E a nova diretoria, que irá assumir no começo de 2019, comunicará o nome do próximo Head Coach (técnico principal) logo no início do ano.

Por: Assessoria Cuiabá Arsenal