Foto: Helmute Lawisch ao lado da taça de Campeão da Copa FMF 2019 - Foto: Evandro Moreira


O presidente do Luverdense, Helmute Augusto Lawisch, polemizou a situação que vive o Luverdense no último sábado (30), após assembleia-geral, no estádio Passo das Emas. O mandatário do Verdão do Norte desde a fundação em 2004, com uma breve saída para assumir a presidência da FMF em 2015, informou em coletiva de imprensa, gravada pelo repórter e narrador Altair Anderli, da rádio Regional Lucas FM 103,5, que o clube corre sério risco de fechar as portas, por falta de apoio e nomes para assumir. O Luverdense foi rebaixado na Série C em 2019.

Helmute terá que entregar o cargo de presidente no próximo dia 31, com dois triênios de mandato consecutivos no clube, não podendo mais ser reeleito. Foi cogitado o nome do seu filho, o produtor rural Guilherme Lawisch, e do vice-presidente Jaime Binsfeld, mas, na reunião de sábado, ninguém se candidatou. A assembleia ocorreu com quórum mínimo e foi adiada para o próximo sábado (07).

“Não tem até o presente momento alguém que queira assumir a presidência do nosso clube né. Nós fomos impedidos por lei e dia 31 encerra nosso mandato. Alguém precisa assumir, hoje na assembleia deu um quórum mínimo, mas deixamos a assembleia em aberto, porque nenhum dos participantes topava assumir a presidência nesses próximos três anos para frente. É chato, mas é uma realidade, não vamos fugir da realidade”, afirmou o presidente Helmute Lawisch.

Ainda de acordo com ele, o clube sofreu um desprestígio das autoridades locais e da sociedade nos últimos anos.

“O Luverdense não é mais uma entidade que todo mundo gosta, nosso time do coração, não é nada, é mentira, conversa mole. O Luverdense tem uma meia dúzia que ajudou a fazer o Luverdense até então, a grande maioria do pessoal não está nem aí. O Luverdense não é meu, nem do Jaime, o Luverdense é da sociedade de Lucas do Rio Verde. Se continuar desse jeito, desprestigiado, fecha as portas, sem problema nenhum. Enquanto outras cidades estão se movimentando para ter um clube de futebol, nós estamos fazendo de tudo, as lideranças de Lucas, estão fazendo de tudo para isso aqui parar. As lideranças de Lucas do Rio Verde, porque quem toca o negócio são as lideranças do município. Se todo mundo puxar para frente vai, se todo mundo puxar para trás, acontece o que está acontecendo. Rebaixa, não tem quem queira por a cara. É isso, é uma pena, mas é uma grande verdade. Tomara que daqui para sábado que vem a gente consiga achar alguém que queira tocar, porque da forma natural, até o momento, não achamos. Mas muito pelo desprestigio que as autoridades de Lucas do Rio Verde estão tendo com o Luverdense. Desprestigiado nos últimos tempos, essa é a grande verdade. Tem quem goste, tem muita gente que gosta do Luverdense, mas ajudar a carregar e dividir o fardo, são bem poucos que se apresentam para o serviço”, desabafou o presidente.

Caso não apareça nenhum membro que se habilite a assumir como presidente do Luverdense, para ajudar a manter o clube no futebol regional e nacional, Helmute não sabe o que poderá acontecer, mas cita encerrar as atividades do Verdão do Norte.

“Vamos ter que estudar com muito jeito, é difícil, para quem achou que a gente fez pouco durante esses 15 anos, tá aí agora a hora de assumir e fazer melhor. É melhor vir assumir, trabalhar, do que ficar criticando pelos cantos aí. Espero que o pessoal entenda o que está acontecendo, o Luverdense não é meu, não é do Helmute, nem da minha família, o Luverdense é da sociedade de Lucas do Rio Verde. A sociedade vai saber o que fazer, se é para fechar as portas não tem problema nenhum, eu já fiz a minha parte. Tenho amigos meus, Jaime, Sr. Édio, que também já fizeram. Agora se não aparecer mais gente para ajudar a tocar, eu não sei o que vai acontecer”, completou Lawisch.

Se o Luverdense abandonar o futebol e não disputar o Campeonato Mato-grossense 2020, terá que pagar multa de no mínimo R$ 50 mil, além de ficar fora das competições da Federação Mato-grossense de Futebol durante dois anos. Se desistir da Copa do Brasil 2020, o Mixto herdaria a vaga, pelo terceiro lugar na Copa FMF. Além disso, a bagatela de R$ 525 mil.

Além dessas duas competições, o Luverdense tem a Copa Verde e a Série D do Campeonato Brasileiro na temporada que vem. O primeiro jogo em 2020 está marcado para o dia 21 de janeiro, pelo Estadual, contra o Dom Bosco, no estádio Passo das Emas.

 

Por: Pedro Lima / da Redação com Altair Anderli


Assessoria Luverdense Esporte Clube

Assessoria Luverdense Esporte Clube