Foto: Arquivo Pessoal


Na disputa por uma vaga nas Olímpiadas Tóquio 2020, o judoca cuiabano David Moura deu mais um grande passo na sua carreira. Nessa terça-feira (08), o atleta conquistou a medalha de prata no Grand Slam de Brasília e mais 700 pontos na caminhada olímpica.

David Moura (+100kg) começou a competição no Distrito Federal vencendo o equatoriano Freddy Figueroa. Nas quartas de final, o mato-grossense bateu o Ucraniano Yakiv Khammo. Na semifinal, uma disputa direta contra o outro brasileiro, Rafael Silva, conhecido como “Baby”, concorrente de David Moura na briga interna por uma vaga nas Olímpiadas do ano que vem. O cuiabano foi melhor e desbancou o compatriota, garantindo vaga na final para enfrentar o maior judoca do mundo.

Na decisão, o adversário a ser batido pela frente. Teddy Riner, com mais de 150 lutas de invencibilidade. David Moura buscou surpreender o rival francês, mas acabou sofrendo Ippon e ficando com a medalha de prata.

“Ele é um grande atleta e o cara a ser batido. É sempre bom lutar com ele. Acredito que fico sempre mais próximo de vencer. São pontos importantíssimos na corrida olímpica para conquistar a minha vaga. Foi um grande dia, um Grand Slam em casa, digno de comemoração”, afirmou David Moura.

No momento, David Moura ultrapassou Rafael “Baby” nos pontos qualificados do ciclo olímpico, com 2.777. Ele é o quinto colocado do Ranking Mundial de Judô +100kg.

Nesta semana, Moura vai para o Rio de Janeiro, onde se prepara para os Jogos Mundiais Militares, na China. Em dezembro, ele disputa o World Masters, também na China.

Com 31 anos, o judoca está na seleção brasileira há mais de 10 anos, é campeão dos jogos pan-americanos de Toronto, vice-campeão mundial e coleciona diversos títulos internacionais. É atleta e embaixador do Instituto Reação, patrocinado pela Unimed Cuiabá, BV financeira e Oncomed Mato Grosso.

 

Por: Pedro Lima / da Redação


Arquivo Pessoal

Arquivo Pessoal

Arquivo Pessoal