Foto: Estádio Dito Souza, em Várzea Grande - OlharEsportivo


O Operário Várzea-grandense promete novidades no replanejamento para a Série D do Campeonato Brasileiro 2020. A diretoria foi novamente composta por dois dirigentes já conhecidos do clube, que buscam parcerias para o investimento.

Ao lado do presidente Éder Taques, estão de volta o gerente de futebol Marcelo Galiano, e o supervisor de futebol, André Xela. Os três estarão responsáveis pela remontagem do elenco e buscam apoiadores para formar um time competitivo no Brasileiro.

A princípio, o Chicote visa a contratação de um novo técnico e pretende reiniciar os treinamentos a partir do dia 17 de agosto. O retorno do técnico Luiz Gabardo Jr. ficou inviável. Ele fez acordo amigável e voltou para o Rio Grande do Sul, logo após a suspensão do Estadual, por tempo indeterminado.

Com a saída do diretor Roberto Moraes, que fazia parceria com o CEOV através do Boa Esporte-MG, o elenco foi praticamente desmanchado no mês de junho. Com isso, apesar de ter cogitado montar um elenco caseiro para a competição nacional, a diretoria visa trazer de volta pelo menos algumas peças do time que já estava montado, além de garantir outras contratações nas próximas semanas.

O Operário-VG está no grupo A5 da Série D do Campeonato Brasileiro. Além do Tricolor, a chave é composta por União de Rondonópolis, Águia Negra-MS, Goiânia, Goianésia-GO e Vitória-ES. A Aparecidense deve entrar no lugar do CRAC, que desistiu da disputa. Outra vaga do grupo está em aberto e será definida no jogo entre Real Noroeste-ES e Aquidauanense-MS, na preliminar da Série D.

A estreia do time de Várzea Grande está marcada para ocorrer entre os dias 19 e 20 de setembro. Se manter a tabela, e for oficializada a entrada da Aparecidense, o primeiro jogo será contra o time goiano, fora de casa.

Série D: Diretor confirma Aparecidense no lugar do CRAC no grupo que tem Operário-VG e União

Por: Pedro Lima / da Redação


Operário-VG pode trazer alguns jogadores de volta para a Série D - OlharEsportivo