Foto: Arquivo Assessoria


Não durou muito tempo o comando do ex-secretário de Estado de Fazenda, Éder Moraes, no Operário Futebol Clube Ltda. O dirigente informou que deixa a presidência por procuração do atual clube rubro-negro de Várzea Grande, após conversa com o proprietário do clube Sebastião Viana. Eles chegaram em um comum acordo para o encerramento do vínculo de Moraes.

Durante sua passagem de aproximadamente três meses, Éder Moraes reformou toda a infraestrutura do Centro de Treinamento do Carrapicho, agora chamado de CT do Rubro Negro.

Embora diz que não tinha o objetivo de ganhar títulos no momento, mesmo na disputa da Copa FMF, que vale vaga na Copa do Brasil, o dirigente não somou esforços fora de campo, mudou a comissão técnica por quatro vezes em sete jogos, mesmo assim, a equipe não conseguiu a classificação para a fase mata-mata, ficando na sexta colocação. Comandaram o time, o português João Mota, os jogadores Geílson e Robinho, além de Parma de Oliveira, que agora, assume novamente a presidência do clube.

“Quando assumi a Presidência o Operário não tinha um lugar descente para treinar, a sede chamada de Vila Olímpica parecia um lixão, arregaçamos as mangas e partimos para a romaria de pedidos de patrocínios, e graças a Deus conseguimos dar uma infraestrutura invejável ao Clube. Nunca assumi com a intenção de conseguir títulos, meu objetivo era única e exclusivamente dar melhor estrutura, reformamos e construímos novos muros, portões, gramados, alojamentos, calçadas, pavimentação, irrigação, enfim, o empresariado acreditou no projeto de infraestrutura e apoiou. Levamos dignidade e melhores condições de vida para os moradores do grande Carrapicho, uma região que precisa de olhos clínicos do poder público. Ao mesmo tempo agradeço a Prefeita Lucimar Campos, o vice-prefeito Hazama e o secretário Breno Gomes, todos embora com dificuldades do momento, atenderam algumas das nossas reivindicações, como quebra molas e sinalizações”, disse Éder Moraes.

Segundo o dirigente Éder Moraes, outras propostas para assumir outros clubes já apareceram e ele avaliará as condições para um novo desafio.

“Fiquei cerca de 90 dias à frente do Operário e agora vou em busca de novos desafios, tenho convites para presidir outros clubes, estou avaliando, pois tenho minhas atividades privadas de consultorias financeiras e políticas, além de estar alucinadamente estudando pós-graduações, MBA’S e curso de graduação superior, graças à luta e perseverança tenho acumulado cinco cursos superiores, cinco pós graduações e dois MBA’S. Isso toma muito nosso tempo, mas a busca pelo conhecimento nos engrandece e nos faz ver muitas coisas de forma diferente, estar preparado espiritualmente, psicologicamente e dotado de conhecimento, contribui para enfrentarmos os desafios da vida”, completou Éder Moraes.

Parma de Oliveira reassume a presidência do clube, ele que já foi presidente de março de 2018 a julho de 2019. Sobre a administração de Parma, o time conquistou o título da Segunda Divisão em 2018, mas culminou com o rebaixamento em 2019.

O Operário Ltda volta a jogar no domingo, contra o Cuiabá, no CT do Carrapicho, pelo Campeonato Mato-grossense das categorias Sub-15 e Sub-17.

Por: Pedro Lima / da Redação


Éder Moraes reformou o CT do Carrapicho - Assessoria OPFC

Técnico português João Mota foi o primeiro contratado por Éder Moraes - Assessoria OPFC

Geílson assumiu a equipe em dois jogos - Assessoria OPFC

Prefeitura de Várzea Grande asfaltou neste ano a região do Carrapicho, além da implantação de quebra-molas e sinalizações - Assessoria OPFC

Robinho, Santos e Fumanchu também comandaram o Operário FC na Copa FMF - Assessoria OPFC