Foto: Diogo Sodré contra o Corinthians pela Copa do Brasil na Arena Pantanal - Assessoria Luverdense Esporte Clube


Com quase três meses de paralisação do futebol brasileiro, muitos atletas passam por situações de angústia durante esse tempo. Times sem muita expressão no cenário nacional fecham contratos com seus jogadores durante um curto período, logo, muitos que estavam empregados se viram sem acordo e sem clube durante a fase que estamos vivendo.

Para o meio-campista de 29 anos, Diogo Sodré, com passagens por Bragantino, Coritiba, campeão da Copa Verde pelo Luverdense em 2017, paraense no Remo em 2019 e, mais recentemente, pelo Votuporanguense, a parada já é muito prejudicial para alguns jogadores que ficam sem time, mas pode ser ainda pior sem os cuidados necessários.

“A saúde mental é muito desgastada durante essa parada, a cobrança é enorme, então se o cara não conseguir organizar sua cabeça, fica doente”, afirmou o atleta.

“Alguns atletas conseguem se manter com algum dinheiro guardado durante os anos, mas outros não. Muitas vezes esses jogadores não tem o que comer, sobrevivem com a ajuda dos mais próximos”, disse Sodré.

Com Sodré, não foi diferente. O jogador chegou no começo do ano para disputar a Série A2 do Paulista pela equipe de Votuporanga, vindo do Chipre. Com boas atuações à frente do time, Diogo estava se confirmando como titular até o mundo passar por uma crise sanitária que fez todos pararem com suas atividades.

“Essa pandemia prejudicou muito a gente, o Votuporanguense estava em uma crescente em relação aos outros anos. Apesar de meu contrato ter acabado, desejo muita sorte a equipe e sempre serei grato a todos que estão lá”, comentou.

Mesmo sem jogar, o meia continua sua rotina de treinamentos de musculação e com bola, para quando voltar futebol no Brasil, possa estar em forma para chegar em seu novo clube jogando.

“A maior ferramenta do atleta é o corpo dele, se ele não se cuidar, acaba sendo prejudicado. É muito importante você se alimentar bem, dormir bem e se manter firme nos treinamentos”, finalizou.

O atleta recebeu algumas sondagens nas últimas semanas, porém nada concreto foi confirmado.

Por: Pedro Lima / da Redação


Meia em atividade no Passo das Emas - Assessoria LEC

Diogo Sodré ao lado do ex-diretor do Luverdense, Maico Gaúcho - Arquivo