Foto:Josué Teixeira Gazeta do Povo


O primeiro jogo da final do Campeonato Brasileiro da Série C 2018 foi daqueles de guardar na memória. Cuiabá e Operário protagonizaram um duelo emocionante no Estádio Germano Krüger. O empate por 3 a 3, com direito a gol relâmpago, bolas na trave, virada no placar, empate nos acréscimos e cenas lamentáveis no fim, deixou tudo aberto para a partida de volta na Arena Pantanal. 

O time da casa saiu na frente com 30 segundo de jogo com Dione. No fim do primeiro tempo Erick aumentou para 2 a 0. No segundo tempo brilhou a estrela de Marino, o volante artilheiro marcou duas vezes e empatou o jogo para o Dourado. Jenison também deixou o dele e de cabeça garantiu a virada da partida do Dourado. Aos 45 do segundo tempo o Fantasma chegou ao empate com Robinho e deixou tudo igual na primeira partida da final.
 
Após o apito final do juiz, jogadores das duas equipes se envolveram em confusão generalizada, a policia precisou intervir para acalmar os ânimos dos atletas.
 
O jogo de volta está marcado para o próximo sábado (22), na Arena Pantanal, às 18h. Quem vencer fica com o título. Em caso de novo empate, a partida será decidida nos pênaltis.
 
O JOGO
Quem chegou um minuto atrasado no Germano Krüger perdeu o gol relâmpago do Operário. Com menos de 30 segundo de jogo, Dione recebeu passe de Peixoto dentro da grande área e chutou cruzado, a bola bate na trave e entra, 1 a 0 para o Fantasma.
 
Aos sete minutos o Cuiabá chegou com perigo pela primeira vez, João Carlos recebe cruzamento na área e cabeceia pra fora. Aos 11 minutos o volante Marino também de cabeça, após cobrança de falta assusta a torcida da casa. Com 32 minutos Eduardo Ramos cobra falta na área, a zaga desvia para escanteio, na cobrança Marino antecipa a zaga e cabeceia por cima do gol.
 
O segundo gol do Operário veio aos 45 minutos. Em boa trama do ataque do Fantasma, Danilo Baiano cruzou na marca do pênalti, Erick, sozinho cabeceou sem chances para Victor Souza, 2 a 0 operário. 
 
Aos 47 veio a melhor chance do Cuiabá, em cruzamento da direita a bola chegou no segundo pau, João Carlos subiu e cabeceou na trave, no rebote a zaga do Fantasma afasta.
 
O Cuiabá voltou para o segundo tempo precisando ir para cima do Fantasma, a estratégia deu certo, após boa jogada pela direita, Jenison domina na área, protege bem a bola e rola para Marino, que bate de primeiro no ângulo do goleiro Simão, sem chances para o arqueiro, Cuiabá sai do zero, 2 a 1 Operário-PR.
 
O gol abalou o time da casa, aos oito minutos em jogada parecida com a do gol do Dourado, Doda faz o pivô e rola para Adriano Pardal que bateu rasteiro no canto, para boa defesa do goleiro Simão, quase empate do Cuiabá.
 
Mandando no segundo tempo o empate saiu aos 19 minutos. Após cobrança de escanteio a bola sobra para Marino, quem com todo oportunismo do mundo manda para as redes.
 
Estava faltando o maestro aparecer. Eduardo Ramos, o 10 do dourado, fez em jogada individual na linha de fundo pela esquerda, escondeu a bola e girou na marcação, fez o chuveirinho na área e Jenison subiu mais do que o zagueiro e cabeceou para o fundo do gol, virada inacreditável do Dourado aos 21 do segundo tempo.
 
O Operário só voltou a assustar aos 30 do segundo tempo, em cobrança de falta, Victor Souza faz linda defesa para impedir o empate do Fantasma.
 
Eduardo Ramos quase fez o quarto, jogada na linha de fundo, a balada cruzada para trás, o 10 bateu colocado rasteiro, Simão se estica todo e com a ponta dos dedos salva o Operário.
 
Aos 38 é a vez do Dourado agradecer a trave, em cobrança de escanteio a bola é desviada dentro da pequena área, acerta a trave e Marino afasta de qualquer jeito.
 
Na base do tudo ou nada o Operário foi com tudo para cima do Dourado. Em momento de desatenção da zaga do Cuiabá, a bola sobrou para Robinho na entrada da área bater de canhota, a bola desviou em Ednei, bateu na trave e entrou, empate do Operário, final de jogo 3 a 3.
 
FICHA TÉCNICA
 
Operário-PR: Simão; Danilo Báia, Alisson, Sosa, Peixoto; Chicão, Dione, Erick, Robinho; Bruno Patata, Cleyton
 
Cuiabá: Victor Souza; Jean, Ednei, Edson Borges, Danilo; Alê, Marino, Eduardo Ramos; Jenison, Adriano Pardal (Bruno Alves) e João Carlos (Doda)
 
Público e renda
 
Público pagante: 5.439
Público total: 6.003
Renda: R$ 127.280,00
 

Por: Luis Rodrigues