Foto: Divulgação


O técnico Hugo Alcântara, que foi contratado pelo Operário Várzea-grandense para a Série D do Brasileiro, mas dispensado do cargo após uma semana de treinos, falou sobre o ocorrido em relação à diretoria do Tricolor, que em menos de 15 dias, teve acerto com no mínimo quatro técnicos, e do nada, optou por tirá-lo de comandante da equipe. Três deles foram de forma oficial.

“A verdade é que o investidor não queria que fosse a gente, mas a gente sabe quem é o investidor. Para não ficar feio, tentaram que ficasse de auxiliar. Mas imagina, nós, contratados para ser treinador e auxiliar, treinando tudo bem, sem acontecer nada, eles vêm e falam que o investidor quer que seja o Ariel, que já contratou, e vocês vão ser auxiliares. Se antes já tinha esse investidor e não tinha essa preferência por nós, então porque me contrataram, porque me chamaram para ser o treinador, se já sabiam quem era o homem do dinheiro”, afirmou o técnico Hugo Alcântara.

Hugo foi apresentado oficialmente no dia 19 de agosto, ao lado do técnico Odil Soares, que pediu dispensa do Dom Bosco para servir o Chicote da Fronteira como auxiliar. Oito dias depois, ele foi dispensado do cargo de técnico, com a opção de ser auxiliar de Ariel Mamede. Alcântara desabafou e disse que o Operário-VG abusou da sua boa vontade para contratar jogadores da sua confiança.

“O que foi feito lá, foi uma palhaçada. Não é uma falta de respeito com um profissional, mas sim com pais de famílias, porque a gente sabe que no futebol existe isso, de sair um treinador, uma comissão técnica, quando não há resultado, quando perde, isso faz parte. Agora, o que não pode acontecer é você contratar um treinador, apresentar, fazer tudo que fez, usar a comissão técnica para treinar o time, para levar jogadores para lá, e depois, sem nenhuma explicação, mandar embora. É falta de respeito com o ser humano, coisa que eles não têm. Ninguém lá tem. Se o Eder e o Márcio sabiam quem mandava, porque me chamaram para ser técnico? Isso não se faz. O que está me irritando são essas conversinhas fiadas, em alguns canais aí, na internet, que fomos chamados para prosseguir no time, que deram opção para ser auxiliar. Depois de ser apresentado? Isso não existe!”

Ainda segundo o ex-jogador e técnico, que deve voltar ao Poconé para a sequência do Campeonato Mato-grossense, sair do CEOV antes foi um “livramento de Deus”.

Graças a Deus prezo muito pela honestidade e humildade. Prezo pela verdade, não compactuo com mentiras, hoje vejo que foi livramento de Deus”, completou Hugo Alcântara.

Por: Da Redação