Foto: Reprodução


A diretoria do Nova Mutum Esporte Clube emitiu nota de repúdio contra a arbitragem do jogo entre Sinop e Mutum, válido pelo duelo de volta das quartas de final do Campeonato Mato-grossense. Segundo a nota, os jogadores do Mutum não se envolveram na confusão pós-jogo, sendo vítimas de agressões. Contudo, na súmula do jogo, o árbitro Alinor da Silva Paixão decidiu por também punir alguns atletas do time classificado.

Confira a nota na íntegra

O Nova Mutum Esporte Clube vem, por meio da presente nota, expor sua indignação com a atuação da equipe de arbitragem, liderada pelo sr. Alinor da Silva Paixão, no confronto com o Sinop, no dia 19 de novembro, no Estádio Gigante do Norte. Sempre reconhecemos a importância desta categoria e sempre buscamos, também, evitar manifestos contra os árbitros envolvidos em nossos duelos. Não podemos, porém, nos calar diante de fatos que geram claros prejuízos ao clube em um momento ímpar na história de nossa instituição.

Em súmula divulgada nesta segunda-feira (23), constam ocorrências que nos causam estranheza. Em relato do sr. Alinor da Silva Paixão, consta um cartão amarelo ao zagueiro Taison, do Nova Mutum. Tal punição suspende nosso capitão para o confronto de ida da semifinal e nos surpreende, tendo em vista que nosso jogador não esteve envolvido no lance em questão.

A expulsão do atleta Sávio, aos 42 minutos do segundo tempo, é justificada pelo árbitro da seguinte maneira: "Por atingir seu adversário na canela com uso de força excessiva." Nas imagens, é notável que o atleta do Nova Mutum visa a bola e, atrasado, tem contato com o adversário. Porém, não na canela, tampouco de forma excessiva, já que rapidamente o adversário levanta e busca reiniciar o jogo - como ilustram as imagens.

A desastrosa atuação da arbitragem, no entanto, tem ápice ao fim do confronto, quando atletas do Sinop partem para agressões - em vários momentos de modo covarde - contra os jogadores do Nova Mutum.

Tão logo o jogo é encerrado, o zagueiro Mendonça é agredido com socos e pontapés, mesmo caído, por mais de um atleta adversário. Mesmo com representantes do Nova Mutum buscando conter a briga, sabedores de que punições acarretariam prejuízos ao clube para a semifinal, o defensor continua sendo agredido. O zagueiro Taison, primeiro a tentar ajudar o companheiro, é em certo momento alvo de pelo menos cinco atletas do Sinop - um deles chega a chutá-lo pelas costas. Em súmula, o árbitro relata que Mendonça revidou às agressões com socos e pontapés. Fica a dúvida, porém, de como ele faria isto se estava caído, envolto por atletas adversários que o agrediam covardemente.

Alvo de socos no rosto e na nuca, o volante Jonathan Cabeça também foi expulso pelo árbitro após o jogo. Nas imagens, que não deixam dúvidas, o atleta aparece fugindo das agressões a todo instante e, pouco mais tarde, inclusive, posiciona-se atrás do policiamento. O sr. Alinor da Silva Paixão, novamente muito equivocado, argumenta na súmula que o jogador deu "socos e pontapés".

O preparador de goleiros Cristhian Dalferth também foi expulso pelo árbitro de modo extremamente injusto. Além de ser mencionado erroneamente na parte superior da súmula - bastante confusa - como "Rafael Bispo - preparador de goleiros" - o profissional, de trajetória esportiva ilibada, tem sua exclusão também justificada por agressão a "jogadores adversários com socos e pontapés". Algo que não fez em momento algum.

Diante dos reiterados erros da equipe de arbitragem no confronto, especialmente em um momento tão decisivo, o Nova Mutum pede providências à Federação Matogrossense de Futebol.

O Nova Mutum Esporte Clube desde 2019, ano de sua profissionalização, vem trabalhando de modo exemplar com o propósito de elevar o patamar do futebol do Mato Grosso. Contudo, não pode aceitar inerte situações que provocam sérios prejuízos desportivos - e por que não financeiros - à entidade.

Nova Mutum Esporte Clube.

Por: Da Redação