Foto:Peterson Campos/Olhar Esportivo


 O Clube Esportivo Operário Várzea-grandense se despediu do Campeonato Mato-grossense Martinello 2018 no último sábado (24), ao ser derrotado pelo União em cobranças de pênaltis na fase de quartas de final.

O Chicote da Fronteira terminou com média de 475 pagantes por partida. Desconsiderando a rodada dupla Operário x Dom Bosco e Cuiabá x Ação, que teve público de 981 torcedores, o recorde de público do CEOV foi na partida de estreia, contra o Luverdense, para 671 torcedores.
 
No dia da sua eliminação, 629 pagantes assistiram ao empate por 1 a 1 contra o União. O duelo contra o mesmo Colorado, ainda na 1ª fase, foi o pior público do Tricolor, apenas 107 torcedores.
 
O CEOV teve quatro das cinco partidas que atuou como mandante analisadas na estatística, isso porque no dia de Operário x Poconé, a Arena teve portões abertos pós-clássico Fla-Flu.
 
Pagou pra jogar
 
Com uma média de público muito próxima do União, clube que teve pequeno lucro com bilheteria até aqui, o Operário sofre por ter que mandar suas partidas na Arena Pantanal e ainda ter que pagar a Taxa de Segurança Pública (TASEG), ao contrário do que acontece com o Dom Bosco.
 
Dessa forma, o clube ficou no 'vermelho' no quesito bilheteria em todas as partidas, somando R$14 mil de prejuízo.
 

Por: Thiago Mattos