Foto:Thiago Mattos/Olhar Esportivo


 O Operário Várzea-grandense está de volta à elite estadual. Em julgamento no Pleno do Tribunal de Justiça Desportiva de Mato Grosso (TJD-MT), o recurso da equipe várzea-grandense diante da acusação do Cacerense foi aceito, livrando o Chicote da Fronteira do rebaixamento.

O júri, que teve toda sua composição trocada no mês passado, decidiu, por sete votos a dois, que a denúncia apresentada pelo Cacerense ultrapassou o limite de tempo, que seria de 48 horas após o fim do Campeonato Mato-grossense.

Com isso, a equipe de Cáceres está rebaixada à segunda divisão estadual. Caso queira apresentar recurso diante da decisão do TJD, o Cacerense tem como única alternativa o Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD).

Entenda o caso

O Cacerense denunciou o CEOV pela escalação irregular do volante Leandro Silva Gomes, mais conhecido como Lê, na rodada de estreia do estadual deste ano, na vitória por 3x2 contra o Mixto. O atleta foi expulso na final do Mato-grossense 2016, quando atuava pelo Sinop e deveria cumprir suspensão na edição deste ano.

Na ocasião, o Operário foi condenado a perda de seis pontos, culminando no descenso da equipe.

Atualização (16h30)

Em entrevista ao Olhar Esportivo, o gerente de futebol do Cacerense, Romildo Silva, afirmou que o advogado do clube já foi acionado para dar entrada ao recurso no STJD. O dirigente afirmou que a denúncia contra o Operário-VG foi apresentada em tempo hábil (menos de 60 dias da data da publicação da súmula do jogo entre CEOV x Mixto).

Romildo mostrou-se confiante numa decisão favorável ao Cacerense. "Tenho certeza que saíremos vitoriosos no julgamento do STJD. A preparação para a Copa FMF segue normamelmente", disse.

Por: Olhar Esportivo


Súmula foi publicada no dia 31 de janeiro

Denúncia do Cacerense, datada de 29 de março

Denúncia teria sido apresentada no dia 29 de março