Foto: Brenner e Fernando Diniz em partida pelo Brasileirão Assaí - Créditos: Pedro H. Tesch/AGIF


É difícil não ouvir o nome 'Brenner' depois do grito de gol do São Paulo durante a narração de algum confronto. Só neste ano, o camisa 30 é o artilheiro disparado do Tricolor Paulista, com 22 gols feitos. Pela Copa do Brasil, foram seis tentos em cinco jogos. Nesta quarta-feira (30), o cuiabano Brenner precisa colocar mais uma vez em prática seu faro de gol se quiser avançar à final da competição e conquistar o inédito título ao clube. Vindo de uma derrota de 1 a 0 para o Grêmio em Porto Alegre, o São Paulo encara os gaúchos no Morumbi, às 21h30. O vencedor medirá forças contra América-MG ou Palmeiras na final.

Mais do que só fazer gol, Brenner é o jogador que mais decide em jogos eliminatórios no ano de 2020 pelo São Paulo. Em sete duelos de mata-mata pelo clube no ano, o camisa 30 marcou oito gols. Confiante, o atacante falou sobre sua principal meta.

"Fico feliz pelo momento que estou vivendo, trabalhei pra isso. Espero manter, mas, acima de tudo, ganhar jogos e a gente conseguir nossos objetivos principais", contou.

Dupla de sucesso

Seu talento não se resume aos números individuais. Se Brenner sozinho já dá trabalho aos adversários, ele, ao lado de Luciano, dificulta e muito qualquer zaga brasileira. Os dois jogadores formam juntos a melhor dupla de ataque da Copa do Brasil de 2020 e do São Paulo no Brasileirão Assaí desde 2012. Homens de confiança do técnico Fernando Diniz, os atuais donos das camisas 30 e 11 registraram juntos 23 gols nesta edição do Campeonato Brasileiro até aqui. A dupla de artilheiros só não supera a média de gols de Luis Fabiano e Osvaldo, na temporada de 2012, quando o Tricolor teve um dos melhores ataques do país e ficou com a vice-artilharia do torneio nacional.

Pela Copa do Brasil, a dupla também sai na frente. Ao todo, marcaram juntos nove gols em cinco partidas. Enquanto o garoto de Cotia anotou seis, Luciano balançou três vezes a rede dos adversários. Os outros times que também disputam a vaga pela tão sonhada final da competição registraram oito (Palmeiras com Raphael e Veron e América-MG com Rodolfo e Marcelo Mineiro) e cinco gols (Grêmio com Diego e Jean Pyerre).

As marcas de Brenner não param aí. O atacante é o único jogador do elenco a marcar em todas as competições disputadas pelo Tricolor Paulista em 2020: Paulistão, Brasileirão Assaí, Libertadores, Copa do Brasil e Sul-Americana. A qualidade em fazer gols é tanta que quando o assunto é o Campeonato Brasileiro, ele se destaca mais uma vez. Na última partida do São Paulo no Maracanã, no dia 26, o atacante marcou dois gols na vitória paulista de 2 a 1 sobre o Fluminense. Com o tento, ele se tornou o segundo maior goleador da história do clube paulista no maior estádio do Brasil. O camisa 30 alcançou a marca de cinco gols no Maracanã, superando ídolos como Dino Sani, Serginho Chulapa, Palhinha e Luis Fabiano.

Se olharmos para o início da trajetória de Brenner no futebol brasileiro, o camisa 30 impressiona nos números mais uma vez. Foi em 2015 que o garoto de Cotia começou a se destacar no São Paulo. De lá para cá, conquistou o bicampeonato da taça BH, o Campeonato Paulista, a Copa Ouro e a Copa Salvador de 2016, além da Aspire Tri-Series Sub-20. 

A quase desistência

Mesmo com apenas 20 anos de idade, Brenner já viveu altos e baixos no futebol. Foi em 2017 que o atacante viu seu sonho se tornar realidade: assinar seu primeiro contrato profissional pelo São Paulo. Ele era uma das principais apostas do clube devido seus grandes feitos conquistados durante sua passagem na base Tricolor. Contudo, a expectativa pelo jogador não se concretizou. Seus primeiros anos no time principal não foram animadores e ele passou a ser cada vez menos utilizado.

Em 2019, o atacante recusou o pedido do São Paulo de voltar à base para a disputa da Copinha. Com a perda de espaço no elenco principal, o clube não viu outra forma senão emprestar o atacante ao Fluminense para dar rodagem. Foi neste momento em que Brenner perdeu a vontade de jogar. Ele diz que a fama repentina e a falta de maturidade foram suficientes para ele não saber lidar. Desanimado, foi na equipe carioca que o atual camisa 30 encontrou Fernando Diniz, seu mentor. 

Mesmo no Tricolor das Laranjeiras, no Rio de Janeiro, Brenner não soube mostrar seu bom futebol. Naquele momento, parecia que a única pessoa que ainda confiava em suas habilidades era o técnico Diniz. Sorte ou não, Fernando foi contratado pelo São Paulo para comandar o Tricolor do Morumbi. Uma de suas exigências era o retorno do atacante ao clube. Sua dedicação foi recompensada. Hoje, Brenner é peça-chave do esquema comandado por Fernando Diniz.

Por: Da Redação com CBF