Foto:Reprodução Facebook


Nos últimos dias, uma postagem inusitada no Facebook do presidente do Operário LTDA, Sebastião Viana, chamou atenção. No post ele divulgava a venda do time, ali mesmo na rede social.

Em contato com nossa reportagem ele detalhou os termos do negócio:

 - Eu comprei o clube, pagando a vista, o valor que me pediram. Além disso, paguei diversas outras coisas, como rescisões trabalhistas, causas judiciais, etc. Gastei cerca de R$ 2 milhões na época. Depois de certo tempo começaram a aparecer algumas causas trabalhistas adormecidas que reviveram e acabei não pagando. Hoje seria mais de R$ 200 mil. Mas segundo meu advogado, negociando, cairia pela metade, porque tem muitos juros, multas e correção monetária.  Então quem comprar o clube teria que ir imediatamente comigo lá e negociar essa dívida, tirando do meu nome. Devemos na Federação R$ 23 500 reais do último campeonato. E existe também uma multa da Receita Federal que passa de 100 mil, só que ela pode ser parcelada em vários anos. Ela foi gerada porque os antigos proprietários do clube nunca regularizaram junto ao INSS e nem o fundo de garantia. Quando eu regularizei, veio a multa. Então hoje quando me perguntam da dívida do Operário LTDA, eu digo que ela gira em torno de R$ 500 mil. Mas com certeza ficará bem menos, só que prefiro jogar cima para a pessoa se preparar.

Explicada toda situação e sabendo que o novo dono terá que arcar com toda a dívida, Sebastião Viana, colocou o preço que espera receber: “Eu quero um valor irrisório, só pra dizer que não recebi nada. Esse valor seria de R$ 250 mil. Se não vender vai continuar do jeito que está. Quando eu puder tocar, vou tocar. No momento, não estou podendo por uma série de questões. Já tenho 64 anos e estou cansado disso tudo”.

 Estrutura

O clube tem um centro de treinamento. O “C.T. do Carrapicho”, porém existe uma pendência judicial entre o Operário LTDA e o CEOV sobre a que pertenceria o espaço. Sebastião assegura que tem um liminar judicial que garante a posse do C.T. Segundo ele, no local, além de campo para treinamento existe um alojamento com camas, geladeira e outros objetos.

Surgimento do Operário LTDA.

Sebastião Viana também explicou como adquiriu o clube:

- Quando eu comprei, tenho um documento inclusive, foi do Éder Taques, que era o dono do Operário LTDA junto com o Azambuja. Os dois eram donos do CEOV também. Aí ficou acertado, também em documento, que eles não reativariam o CEOV. Porque o LTDA surgiu para substituir o clube que tinha sido paralisado por conta de dívidas e muita falcatrua, o que eu desconheço, pois não era do meu tempo. Só que o próprio Éder taques, depois que me vendeu o clube, começou com “nhe nhe nhe” e junto com alguns políticos reativou o CEOV que hoje está com o César Gaúcho.

Por último Sebastião Viana comentou das vantagens pra quem adquirir o Operário LTDA: “clube social não é mais interessante. Tem muita gente metendo o bedelho. Clube empresa é mais prático de tocar porque são poucos donos que tomam as decisões. E estou vendendo por um preço barato. Se alguém for montar um clube, regularizando na CBF, documentação, etc... capaz de gastar bem mais. E outra coisa, o Operário LTDA tem a marca patenteada. Se quem comprar chegar e dizer ‘eu não quero mais a marca Operário no CEOV, no Operário do Paraná’, esses times terão que pagar royalty porque tenho a marca patenteada no Brasil”.

Por: Mateus Garcia


Reprodução Facebook

Reprodução Facebook