Foto:Junior Martins (Letícia Infantino e aluno)


 Três coleções inéditas de livros didáticos sobre xadrez serão lançadas nesta quinta-feira (22), a partir das 9h, na Escola Presbiteriana de Cuiabá (EPC), em Cuiabá, pelos professores Cleiton Marino Santana e Letícia Infantino Menezes. Com o objetivo de implantá-los na grade curricular escolar para favorecer a aprendizagem e o desenvolvimento das habilidades dos alunos, como pensamento crítico, maturidade intelectual e poder de análise de consequências.

Para um dos professores autores e presidente da Federação Mato-grossense de Xadrez (FMTX), Cleiton Santana, pesquisas apontam que o xadrez pode ser usado como uma ferramenta aliada à educação por ajudar no rendimento escolar. Mas, segundo ele, não basta simplesmente apresentar o jogo às crianças e deixá-las praticar. É preciso ter metodologia e trabalhar para que o jogo se torne uma atividade prazerosa e capaz de melhorar o desempenho dos alunos.

“O xadrez é capaz de gerar incontáveis benefícios para a vida dos estudantes e há várias escolas com a modalidade implantada na grade curricular. O problema é que os professores não têm livros didáticos, assim como há de matemática, há de português ou de outras disciplinas, para ministrar as aulas. Então formulam aulas com qualquer conteúdo encontrado na internet. E o lançamento dessas três coleções vem suprir essa carência”, conta o professor, Cleiton Santana.

São 14 livros divididos em três coleções: A primeira se chama “Currículo Escolar” e é formada por nove livros didáticos para crianças do 1º ao 9º ano do fundamental (um para cada série); A segunda se chama “Academia de Xadrez” e é composta por quatro livros pedagógicos de nível avançado; E a terceira coleção se chama “Xadrez Básico para Crianças” e foi feita com um livro para atender alunos do 1º ao 5º ano. E já há planos de escrever novos livros para às coleções.

“Tem dez anos que ministro aulas de xadrez. E todo ano precisava procurar materiais diferentes para dar em sala de aula, pois não podia aplicar o mesmo conteúdo em todas as séries. Faltava um material com metodologia e com níveis de dificuldade compatíveis com cada ano escolar. Por isso, Cleiton e eu, unimos experiências para suprir a lacuna. E agora temos um plano de aulas com ensinamentos e atividades diferentes para cada ano”, disse a professora, Letícia Infantino.

Todo o processo de elaboração das coleções envolve várias etapas e é mais complexo do que se imagina. Abrange o desenvolvimento de um projeto pedagógico-editorial, de um projeto gráfico, da avaliação, revisão e edição do texto original, de pesquisa iconográfica e de referências para ilustrações e de produção editorial, entre outras. E todas essas etapas conduzidas em linguagem com propósito didático, com conteúdo e atividades que levem à construção do conhecimento.

Autores

De acordo com o professor e autor, Cleiton Santana, que já ganhou dois prêmios do Ministério da Educação (2013 e 2015) e também um prêmio da Fundação André e Lucia Maggi (2016), ele é o educador que mais ganhou prêmios com projetos relacionados ao xadrez em todo o país.

“Comecei a praticar xadrez aos 16 anos na escola. Em seguida estreei em competições e ganhei alguns títulos regionais e estaduais. Me envolvi com a coordenação do clube de xadrez da escola e, com o andar do tempo, passei a gostar mais de ensinar do que de competir. E logo avancei para o lado pedagógico. Fui para a faculdade e continuei a ensinar xadrez”, diz Cleiton, 33 anos, graduado em educação física e pós-graduado em docência do ensino superior.

Para a professora e autora, Letícia Infantino, uma das educadoras com maior experiência em ensino de xadrez em Mato Grosso, tendo mais de 10 anos de prática de ensino para crianças, foi sua experiência que possibilitou o avanço do xadrez na Escola Presbiteriana de Cuiabá (EPC). E sua academia de xadrez é citada pela FMTX como referência da modalidade em MT.

“Iniciei no xadrez pelos 10 anos de idade. Quando eu era pequena, minha mãe contratava uma babá cubana para cuidar de mim e de minha irmã e foi com ela que aprendemos a jogar. Ela sempre nos ensinava nas horas vagas. E eu e minha irmã mantivemos esse hábito do xadrez até a faculdade. Depois formei em matemática e fui trabalhar em uma escola, onde implantamos o xadrez na grade escolar há dez anos”, diz Letícia, 31 anos, graduada em matemática e pós-graduada em matemática no contexto financeiro, educativo e econômico.

Serviço

A Escola Presbiteriana de Cuiabá (EPC), local onde serão lançadas as três coleções de livros, fica localizada na Avenida Coronel Escolástico, nº357, no bairro Bandeirantes, em Cuiabá (próximo do Abudi Hotel). Mais informações sobre a aquisição do material didático e ou implantação do xadrez em escolas pode ser adquirida pelos telefones: (65) 99662-7072 e (65) 99964-1102.

Por: Redação


Cleiton Santana ensinando estudante