Foto:Arquivo Cuiabá Arsenal


 A Câmara Municipal de Cuiabá aprovou a Lei Orçamentária Anual de 2017 nesta terça-feira (20). A aguardada reforma no estádio Eurico Gaspar Dutra, o ‘Dutrinha’, no valor de R$250 mil não foi incluída por uma margem pequena de votos (11 a 8).

Em março de 2017 a interdição no Dutrinha completará dois anos. Dirigentes de clubes de futebol da capital, como Mixto, Dom Bosco e Cuiabá já manifestaram o quanto é difícil abrir a Arena Pantanal para jogos de pequeno porte, pois para liberar apenas um setor do palco da Copa do Mundo, são gastos no mínimo R$10.000.

Presidente do Arsenal esbravejou

O presidente do clube de futebol americano Cuiabá Arsenal, Paulo César, demonstrou profunda indignação com a votação na ‘Casa dos Horrores’. O mandatário chamou atenção para o fato de que a Câmara havia aprovado recentemente a criação de uma Secretaria exclusiva para a pasta de esportes.

“Atitude de pessoas que não conhecem a necessidade do esporte, todos os vereadores que votaram contra não foram em nenhuma audiência pública que tratou da lei orçamentária, e na quinta passada votaram pela criação da secretaria de esporte do município”, disparou Paulo na rede social Facebook.

O Cuiabá Arsenal não teve campo para jogar em 2016 que não fosse a Arena Pantanal, onde os custos são elevadíssimos para um clube amador. Nesses últimos dois anos, a agremiação vem sediando suas partidas de forma itinerante, visitando munícipios como Chapada e Livramento.

O clube chegou a sediar as oitavas-de-final da Superliga deste ano no Dutrinha, com portões fechados.

Proposta de Emanuel

Em entrevista ao Olhar Esportivo no mês de setembro, o futuro prefeito Emanuel Pinheiro (PMDB) esclareceu o que pensa sobre como a administração deve conduzir as reformas no estádio Dutrinha.

“A minha principal ideia para o Dutrinha é estabelecer uma Parceria Público Privada (PPP), para trazê-lo de volta ao convívio com a sociedade desportiva cuiabana”, afirmou na oportunidade.

Por: Thiago Mattos