Foto: José Boas / Portal da Cidade


Novamente o ex-presidente e atual diretor de futebol do Luverdense, Helmute Augusto Lawisch, ameaçou fechar as portas do clube. Em entrevista exclusiva ao radialista Altair Anderli, que acompanhou de perto o crescimento do clube, Helmute afirmou que a equipe de Lucas do Rio Verde não encanta mais.

“O Luverdense tem uma história bonita que orgulhou a nós luverdenses. Uma coisa que nós não sabíamos que Lucas poderia fazer, que é o futebol. Chegou um auge lá em 2016, beiramos a Série A, ou seja, estávamos jogando de igual para igual com quem aparecesse na frente. Desde 2017 para cá, o negócio começou a degringolar, decadência do Luverdense, e culmina agora nesses dias numa situação extremamente difícil, horrível, chata. O Luverdense já não encanta mais, não motiva a quem está à frente, quem poderia estar motivado para tocar o Luverdense”, disse o diretor de futebol do Luverdense, Helmute Lawisch.

Helmute é pai do atual presidente Guilherme Lawisch, e segundo ele, vive e conhece de tudo que se passa dentro do clube. No ano passado, também houve uma ameaça de fechar as portas, mas o filho ganhou a eleição de chapa única. O diretor abre o jogo e não acredita que o Luverdense volte a disputar tanto o Estadual, quanto mais nenhuma competição no futebol.

“Não tem que tapar o sol com a peneira, eu acho difícil do Luverdense voltar, extremamente difícil, tanto que eu não sou o presidente do clube hoje, mas eu vivo e sei tudo que está acontecendo. E o meu filho, eu aceitei a ideia de ele assumir a presidência, porque ninguém apareceu. O problema do Luverdense não é de hoje, vem se arrastando há uma longa data. Então vou ser bem franco, acho muito difícil do Luverdense voltar. Do jeito que está aí, eu não acredito que volte, nem para terminar o Estadual, nem para Série D, nem nada, ou seja, o Luverdense que já deu motivos de muita alegria para nós, tem uma história bonita, mas que hoje está decadente. Está dito, tudo que queriam saber o que vai acontecer com o Luverdense, está numa situação chata, SOS Luverdense”, revelou o diretor.

Por ser um time reconhecido no estado, principalmente na região norte, o fato é tratado com espanto no meio futebolístico. De acordo com o diretor, é a realidade que o clube vive e que não dá mais perder tempo.

“Mas o Luverdense não pode fechar, então assuma e ajude pagar a conta. É assim que é o negócio, se não, encerrada a conversa. Eu não vou morrer por causa disso, é uma pena, mas é uma realidade, ponto final. Para voltar já teria que jogar a Série D, nem sabemos se vai voltar, primeira coisa. Não encanta, jogo aí com 200, 300, 500 torcedores, não podemos mais ficar perdendo tempo com isso.”

Por fim, Helmute deixa o recado para as pessoas que criticaram a gestão do Luverdense, que é praticamente gerida pelo ex-presidente e atual diretor desde a sua fundação, em 2004.

“Agora a todos que criticaram o Luverdense está aí, principalmente os críticos, vem para dentro. Eu não vou tocar mais, o Jaime meu amigo, estamos fora. Se não houver sangue novo, o Luverdense vai fechar as portas”, finalizou Helmute ao narrador Altair Anderli.

Na sua história, o Luverdense conquistou três títulos mato-grossenses e uma Copa Verde, além de ter conseguido o acesso para a Série B em 2013, disputando a competição por quatro anos seguidos. Em 2018, o time voltou para Série C, e no ano passado, amargou o descenso para Série D. Também em 2019, foi campeão da Copa FMF. No passado, já tinha conquistado três Copas Mato Grosso (atual Copa FMF).

Por: Pedro Lima / da Redação com Altair Anderli