Foto:Assessoria Ação


 O Ação Futebol se prepara para enfrentar o Cuiabá E.C nesta quarta-feira (21), às 20h45, na Arena Pantanal, pelas quartas de final do Mato-grossense 2018. Mesmo assim, o time viverá uma terça apreensiva, com julgamento marcado no Tribunal de Justiça Desportiva de Mato Grosso (TJD-MT) para às 19h.

“A gente fica triste. Sou dom-bosquino de coração, mas o que essas pessoas à frente do clube estão fazendo hoje em dia é revoltante. Os 12 pontos que o Ação perdeu foram justos, agora essa denúncia apresentada é puro desespero. Só seremos punidos se o TJD resolver rebaixar os ditos pequenos”, desabafou o técnico Hugo Alcântara.

Com -2 pontos na tabela, o Dom Bosco fará uma segunda tentativa para tirar três pontos do Ação e deixar a zona de rebaixamento. Na primeira, prevista para terça passada, o próprio jurídico do Azulão da Colina retirou a notícia de infração horas antes do julgamento.

Dessa vez, a notícia de infração dom-bosquina diz respeito a um jogador do Ação estar com vínculo amador com o clube e ter mais de 20 anos de idade, o que seria proibido.

Tentando fazer com que os atletas pensem apenas ‘dentro de campo’, Hugo Alcântara admite que a atuação da equipe contra o próprio Dom Bosco, em derrota marcante por 3 a 0, foi fruto de um certo desânimo com a primeira perda de pontos.

“O grupo deu uma sentida com toda essa situação de tribunal e nós correndo riscos de perdermos ainda mais pontos, é difícil fazer uma blindagem completa. Quanto ao jogo, o Cuiabá é o favorito absoluto, mas é uma oportunidade para o meu grupo se valorizar ainda mais. Fizeram um grande campeonato, acima das expectativas, e agora podemos entrar pra história de vez”, projetou o treinador.

Perseguição?

Além da ameaça de perder pontos e ser rebaixado junto ao Poconé, Hugo também se ressente da arbitragem em algumas partidas do estadual. O Ação é o clube com mais expulsões até aqui no campeonato e, segundo o treinador, o empate com o Operário em 1 a 1 na 6ª rodada foi o momento mais revoltante.

“A arbitragem nos prejudicou sim, principalmente no jogo contra o Operário. Nosso time tem diversos atletas daqui do estado e muitos jogaram no futebol amador. Tivemos que aturar árbitro dizer ‘vocês são amadores, o time de vocês é fraco, aqui é pra profissional’, no meio da partida. Foi um absurdo”, protestou o treinador.

Na 1ª fase, quando Cuiabá e Ação se enfrentaram, o Dourado venceu sem dificuldades por 3 a 0.

Por: Thiago Mattos