Enquanto a maioria dos torcedores está preocupada com a volta do futebol profissional, e até mesmo os clubes tem essa preocupação, estamos vendo que a volta do futebol profissional é discutível, mas a categoria de base é ainda mais problemática, porque os atletas estão perdendo sua formação, seu futuro.

Se tratando de categoria de base, temos as categorias menores (13 a 17 anos), e as categorias maiores (18 a 20 anos), essas têm aspectos diferentes e prejudiciais entre si, com causa da parada forçada pelo coronavírus.

Nas categorias menores, os atletas sem os treinos, deixam de trabalhar características fundamentais para seu desenvolvimento, com a parte física, coordenação, força, agilidade, e até mesmo prejudicando seu crescimento, já que nos clubes, eles têm auxílios de profissionais da área. A parte técnica, que é fundamental nessa fase, onde se aperfeiçoam os fundamentos necessários para chegar bem na fase seguinte, como passe, cruzamentos, domínio, cabeceio e outros. E a tática, onde eles começam a entender a leitura dos jogos, o que será primordial para seu sucesso no futuro.

Já nas categorias maiores é o período de transição, onde tem a dura missão de sair da base para o profissional. É nessa fase que muitos garotos ficam pelo caminho. Sem terem a maturação completa e ainda prejudicada por essa pausa, fica mais difícil mostrar seu potencial, que o credenciaria a figurar no elenco principal. O que pode afetar também seu psicológico, com os medos, angustias, do seu futuro, onde esses garotos tão novos já são arrimos e esperanças de suas famílias para um futuro melhor.

O que vai prejudicar muito é a falta de jogos, isto com certeza vai influenciar no futebol jogado daqui há alguns anos. A falta de competitividade e as experiências adquiridas nas partidas trarão dificuldades para a maturação desses atletas.

Muitas propostas tem que ser estudadas para suavizar esses prejuízos, mudanças no limite de idade, para que os garotos não percam seu ultimo ano, os campeonatos mudariam o ano limite, fazendo que possam treinar e jogar no outro ano. Torneios mais regionalizados, e as federações realizando suas competições, dando o suporte necessário aos jovens.

Mesmo com essas dificuldades, tem a expectativa que a categoria de base é a salvação do futebol brasileiro, com as contratações e vendas de atletas mais difíceis pelo atual cenário da economia. Assim, apostar e dar condições para os jovens atletas, é o que há de melhor para todas as equipes do nosso futebol.