José Silva Oliveira, mais conhecido como Bife, é o maior artilheiro do antigo estádio Verdão, onde marcou 92 gols¹, também é o segundo maior artilheiro da história do futebol mato-grossense, com 274, ficando atrás somente de Gilson Lira.

Nascido em 28 de setembro de 1949 na cidade de Vera cruz (SP), Bife foi morar ainda criança em Aquidauana (MS), seu primeiro clube foi o LS de Campo Grande, em seguida vieram Comercial (MS), Operário (MT), Mixto (MT)², São Bento (SP) e Nacional (AM). Morreu de falência múltipla de órgãos, em decorrência de uma cirrose hepática, no dia 16 de fevereiro de 2007, quando tinha 57 anos.

Bife foi quatro vezes artilheiro do Campeonato Mato-grossense, três vezes pelo Comercial (77, 79 e 80) e uma pelo Operário (1983). Somadas, essas quatro edições do estadual registraram 56 gols³ do artilheiro.

O apelido Bife

A mãe do craque trabalhava como ‘marmiteira’ na cidade de Aquidauana, preparava e entregava as refeições para soldados de um quartel. José, então com 13 anos, acompanhava a mãe nas viagens e, ‘reza a lenda’, abria várias marmitas e comia um pedaço de carne em cada uma.

Ao ser descoberto, nunca mais teria feito a ‘arte’, mas o apelido ficou eternizado. José Silva Oliveira se tornou Bife.

Atlético Mineiro e Portugal

Em 1974 o Atlético Mineiro de Telê Santana contrata Bife, contudo o atacante não fez nenhuma partida pelo clube e voltou a Mato Grosso em menos de duas semanas. Existem duas versões sobre o ocorrido, a primeira afirma que a saudade da família o trouxe de volta, já a segunda diz que o pressionaram para largar seu apelido, causando revolta no jogador.

Em 1980 foi contratado pelo FC Porto, de Portugal. Fez 14 gols em meia temporada e em seguida foi emprestado ao Belenenses, onde ficou por mais um ano. De volta ao Brasil em 1983, ajudou o Operário a encerrar um jejum de 10 anos sem títulos mato-grossenses e teve passagens ‘relâmpago’ pelo União de Rondonópolis e Palmeiras do Porto.

Encerrou a carreira em 1985, aos 36 anos, atuando pelo Chicote da Fronteira.

 

¹ Rinaldo, atacante que jogou na década passada, é o maior artilheiro em vida do antigo estádio Verdão. Ele marcou 56 gols.

² O site Mixto Net informou ao Olhar Esportivo que os maiores artilheiros da história do Tigre são Leônidas e Bianchi, atacantes que atuaram no clube na década de 1950.

³ As fichas dos jogos do campeonato-matogrossense de 1943 até 1972 não estão disponíveis para consulta, o que prejudica a pesquisa sobre o Dom Bosco (fundado em 1925), Mixto (1934) e Operário (1949). Procurada, a FMF declarou que está trabalhando na revitalização dessas informações.