Cuiabá perdeu pênalti e buscou um ponto no último suspiro do jogo na Arena Pantanal

Uma noite de segunda-feira(15) especial para o torcedor cuiabano e mato-grossense, prestigiar o Cuiabá Esporte Clube diante do tradicional Sport Club Recife, pela décima rodada da Série B do Campeonato Brasileiro na Arena Pantanal.

Foi o retorno do Dourado para casa após a pausa para a Copa América, onde se viu uma equipe com muitas mudanças. Primeiramente, o argentino Escudero voltou ao time titular após ser poupado contra o Vitória. O time tentou se adaptar para ele jogar aberto pela esquerda, deslocando o atacante Felipe Marques para a direita, mas seguiu sem render. Depois, ele tentou jogar mais centralizado, mesmo assim não adiantou. Pouco produziu e na hora de chamar a responsabilidade, deixou o garoto Rincon, que teve sua primeira oportunidade na equipe titular, cobrar o pênalti e errar.

Ah, tudo bem, o Rincon é atacante e queria cobrar para se redimir de perder o gol no lance que resultou o pênalti, mas era hora de alguém colocar ordem na casa, nada melhor que um experiente camisa 10, conhecido por ser exímio em bolas paradas.

Outro problema foi o desfalque de alguns atletas, principalmente ofensivos. O centroavante Gilmar, cotado para ser titular e com lesão na mão, não está liberado pelo Departamento Médico. Em cima da hora, mais dois atacantes sentiram, Hugo Cabral foi vetado, com dores no joelho e Júnior Todinho, até então artilheiro do time com dois gols, ficou no banco de reservas com dores musculares.

Sem o zagueiro Ednei, Itamar Schülle tomou uma atitude brilhante, promoveu o jovem Willian Barão, de 20 anos, que deu conta do recado, vigiando Hernane Brocador no primeiro tempo e Élton no segundo. Uma revelação para o Cuiabá. No lance do gol do Leão, no início do segundo tempo, ele não fez parte da falha defensiva.

Ao lado dele, outro fator positivo, o experiente Anderson Conceição, mas falaremos dele no final do texto. Antes disso, Rincon foi substituído no segundo tempo e foi vaiado pela torcida. Caio Dantas entrou e praticamente não pegou na bola.

Pouco depois, Escudero também recebeu sonora vaia ao deixar o campo. Porém, a torcida também reclamou da alteração do técnico Itamar, pois ele forçou a entrada do lateral-direito/meia Toty, no lugar do craque argentino. Toty decepcionou novamente, não acertou os cruzamentos e atrapalhou o lateral Jonas ofensivamente.

A última alternativa surtiu efeito. O volante Jean Patrick, com cancha para ser titular, entrou no jogo no lugar do apagado Djavan e trouxe qualidade. Após uma pressão, em um cruzamento perfeito, Jean colocou na cabeça do zagueiro Anderson Conceição, que agora sim podemos falar dele, fez outro golaço de cabeça e salvou o Cuiabá de mais uma derrota em casa, com mais de 50 minutos do segundo tempo.

A comemoração do técnico Itamar Schülle e dos seus comandados foi eufórica, com direito a pique, abraços e expulsão do preparador-físico Gamarra. Isso também contagiou o bom público acima de 7.000 torcedores, que acreditaram na equipe até o final, comemorando um ponto conquistado dentro de casa, mesmo no 13º lugar e podendo se aproximar do Z4 até o fim da rodada.

A única vitória da equipe na capital mato-grossense, foi na segunda rodada, por 2 a 1 contra o Operário(PR). Na próxima rodada, o Cuiabá enfrentará o Guarani(SP) fora de casa, que está na zona do rebaixamento. Para tentar vencer como mandante, o Dourado terá que esperar até o dia 27 de julho, quando receberá o Brasil de Pelotas, na Arena.