Cuiabá,

domingo, 16

de 

janeiro

 de 

2022
.

ESCOLHA DE CUIABÁ IMPULSIONA AÇÕES EM MATO GROSSO

Mais do que a confirmação de Cuiabá como uma das subsedes da Copa do Mundo de Futebol em 2014, a escolha da Fifa dispara uma série de medidas que já estavam planejadas e aguardavam a confirmação. O governador de Mato Grosso, Blairo Maggi (PR) lembrou que são compromissos do Estado a construção de um novo estádio, centros de treinamentos que deverão ser instalados em Várzea Grande, Barão de Melgaço, Chapada dos Guimarães (Manso), e outras medidas como questões de segurança pública, saúde pública, de regras específicas para a política fazendária, entre outras ações que serão adotadas até a realização do evento marcado para o meio do ano de 2014. São cinco anos para a execução das obras e medidas exigidas. Maggi sinalizou ainda que vencida a disputa interna, Mato Grosso do Sul será convidada da hospitalidade cuiabana e mato-grossense, pois quem ganha com o evento é o Brasil inteiro e não apenas um Estado, uma cidade. “Todos somos irmãos e somente juntos conquistaremos novos e importantes avanços”, disse Maggi.
“Esperamos ansiosos cada minuto pelo anuncio, mas não deixamos de cumprir com nossas obrigações de quem sempre trabalhou pela realização do evento”, disse Maggi, que assegurou disparar o quanto antes as ações que assegurem a realização do evento e o cumprimento do calendário estipulado pela Fifa e aceito pelas autoridades.
“Temos que lembrar que uma ano antes da Copa do Mundo, acontece a Copa das Confederações, portanto, 2013 muitas coisas terão que estar funcionando”, disse o governador, apontando que o principal agora é executar tarefas e impedir que as três eleições (2010; 2012 e 2014) que vão acontecer de hoje até o ano do evento atrapalhem.
Mérito – O prefeito de Cuiabá, Wilson Santos (PSDB), disse que o mérito do trabalho tem que ser dado ao governador Blairo Maggi (PR) que nos últimos meses pautou boa parte de sua gestão para garantir e assegurar o cumprimento das exigências que o Comitê da Fifa fazia para as 17 cidades que pleiteavam a indicação para as 12 sedes de jogos do mundial.
“Cuiabá vai ganhar muito com o evento e teremos que nos esforçar para que as obras e exigências acompanhem o cronograma estabelecido”, disse Wilson Santos, ponderando que o município será um antes e outro depois do evento mundial quando durante pouco menos de 30 dias os olhos do Mundo se voltam para o país onde está sendo realizado o evento. “Temos muito o que apresentar, não apenas o Pantanal e a Amazônia, mas a pujança e determinação desta terra que há muitos anos é tratada como celeiro do mundo, condição hoje mais do que real.
A definição de Cuiabá como sede da Copa do Mundo de 2014 exige uma série de medidas nas áreas de tributação, de mobilidade urbana, de hospedagem, de serviços, de alimentação além da exploração turísticas das potencialidades da região até uma média de 200 quilômetros de distância da Capital do Estado. A principal obra e que terá que ser acelerada depende do Governo Federal e se trata do Aeroporto Marechal Rondon que está em condições precárias. Quando da visita da equipe técnica da Fifa, a primeira reunião foi com a Infraero – Empresa de Infraestrutura Aeroportuária. O Aeroporto Marechal Rondon, iniciou no início dos anos 2000, a reforma do mesmo, mas ela não se concluiu e se encontra paralisada.
O representante do Governo Federal, o secretário executivo do Ministério das Cidades, Rodrigo Figueiredo, disse que a União tem pronto para ser liberado e investido em Mato Grosso, algo em torno de meio bilhão de reais. “Isto é apenas o começo, nós vamos investir ainda na mobilidade urbana e em obras que garantam qualidade de vida para quem aqui reside e tratamento condigno para turistas. O evento da Copa do Mundo passará e será um sucesso e a vida aqui vai melhorar significativamente”, acrescentou Rodrigo Figueiredo.
Tributos – O presidente da Assembleia, deputado José Riva (PP), e o secretário de Fazenda, Eder Moraes asseguraram estarem prontos para iniciar o entendimento em busca das exigências feitas pela Fifa em relação a questão de isenção de impostos para as obras que terão que ser realizadas e que serão compensadas pela geração de emprego e renda. “Vamos abrir mão de alguns impostos, mas em contrapartida teremos a geração de emprego com carteira assinada, o que se transforma em novos repasses via governo federal”, disse o presidente da Assembleia, explicando que a realização do evento vai transformar Mato Grosso e o todo o país. “Tenho convicção de que haverá um grande boom que irá promover um desenvolvimento acelerado de Mato Grosso”, disse o presidente da Assembleia fazendo coro com outros deputados estaduais. “No que for preciso os deputados vão ajudar, trabalhar e se empenhar para criar facilidades a realização do evento”, disse.
As prefeituras de Cuiabá, Várzea Grande, Chapada dos Guimarães e Barão do Melgaço também terão que proporcionar legislações específicas para a isenção de alguns tipos de serviços de obras, o que deverá ainda puxar outras cidades que tem a exploração do turismo como sua principal fonte econômica e que será potencializada pelo evento.
Cidade da Copa – O 1º secretário da Assembleia, deputado Sérgio Ricardo, disse que conversa com entidades não governamentais interessadas em absorver uma proposta sua que é a criação e instalação da Cidade da Copa, um miniatura de Mato Grosso e de Cuiabá onde estarão localizadas todas as riquezas e pontos turísticos do Estado. As pessoas poderão visitar essa maquete que funcionará como uma cidade e trará as riquezas da fauna e flora locais, além da história de Mato Grosso. “A idéia é de quem visitar a Cidade da Copa conheça todo o Estado e suas potencialidades”, disse Sérgio Ricardo.
Indústria e Comércio – O secretário de Indústria e Comércio, Pedro Nadaf, apontou que um evento da magnitude da Copa do Mundo será um grande impulsionador da economia de Mato Grosso e vai abrir comércios para outros países. “As pessoas veem, conhecem o Estado e suas riquezas e realizam bons negócios. Não pensem que a Copa do Mundo é apenas um evento esportivo, ele vai muito além disto, inclusive em relação a inter-relação de povos e culturas. A história não muito distante demonstra o quanto as cidades e países mudam com a realização de eventos do tamanho da Copa do Mundo, isso potencializa a indústria e o comércio representando mais emprego, mais renda e mais divulgação do que é Mato Grosso”, disse Pedro Nadaf.
Esportes – O secretário de Esporte do Estado, Baiano Filho, lembrou que os esforços do governador Blairo Maggi (PR) é que deram credibilidade para que Cuiabá ganhasse a disputa, dimensionando que por melhor que seja para a economia, para o Estado e para Cuiabá, o passo mais importante será social, pois milhares de crianças se sentirão estimuladas a prática esportiva, o que tira as mesmas das ruas e de perto da criminalidade.
“Será um passo importante na consolidação de nossa economia, mas principalmente de respeito a nossa gente e nossas tradições”, explicou Baiano Filho, que anotou o fato de que apesar da Copa ser realizada em Cuiabá, o Estado vai difundi-la em todos os 141 municípios para que cada um tenha sua participação direta no evento.
Turismo – Responsável pela parte inicial de projetos da Copa do Mundo em Cuiabá, a Secretaria de Turismo, sob o comando de Yuri Bastos Jorge, passa a partir de agora a ter uma outra ação de olho em 2014, potencializar municípios com distância média de 200 quilômetros e com vocação turística para serem conhecidos pela centena de milhares de pessoas que virão acompanhar parte dos jogos da Copa.
“Chapada dos Guimarães, Nobres, Cáceres, Rondonópolis, Barão de Melgaço, Santo Antônio do Leveger são algumas cidades que com certeza serão visitadas pelos turistas que podem ainda ampliar suas opções indo ao Pantanal, a Aripuanã, enfim a todos os municípios de Mato Grosso e conhecer riquezas históricas como as ruínas de Vila Bela da Santíssima Trindade e a piscosidade de rios como o Teles Pires já na Amazônia”, acrescentou.
Bancada federal – Os três senadores de Mato Grosso, Serys Marly (PT), Gilberto Goellner e Jaime Campos, ambos do DEM, disseram que irão assegurar um trabalho de toda a bancada federal para carrear recursos destinados as obras que assegurem o atendimento a população de Cuiabá, bem como aos turistas que participarão da Copa do Mundo de 2014. “Vamos nos reunir com toda a bancada de onze membros (8 deputados federais e 3 senadores) para em trabalho em conjunto garantir uma ampliação de recursos a serem investidos nos municípios da baixada cuiabana, além de cobrar do governo federal o cumprimento de ações como o PAC-Copa do Mundo”, disse a coordenadora da bancada, Serys Marly.
Já os deputados Wellington Fagundes, Homero Pereira e Carlos Bezerra são favoráveis que o Estado sob o comando de Blairo Maggi assuma a coordenação de todas as ações da Copa do Mundo para que não haja interferência política nem descompasso nas ações e obras voltadas para atender as exigências da Fifa.

Notícias Relacionadas

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui