Em apenas dois jogos do Campeonato Mato-Grossense de Futebol Americano realizados em Cuiabá, o Arsenal registou quase 4 mil pagantes. No interior, onde o esporte começa a ser reconhecido, a média de público foi de mil torcedores por partida. Dados como este mostram que em 10 anos de história, desde os primeiros passes dentro do campo da Universidade Federal de Mato Grosso até o reconhecimento internacional, o esporte deu um salto.

Hoje são cinco equipes estruturadas e novos times despontam por toda parte. Seja pela filosofia presente na modalidade, pela garra dos atletas, pela preocupação com a família ou pela proximidade entre ídolos e fãs, uma coisa é certa, o Futebol Americano já conquistou o coração mato-grossense.

Difícil é chegar ao estádio e não ouvir a torcida vibrando, os olhares curiosos, os gritos de apoio ou alguma atração surpresa. O Futebol Americano é essa mistura de esporte e magia. Todos os aspectos são montados para prender o torcedor, é por isso que três ou quatro horas de partida, nem parecem tão longas assim.

Dentro de campo, o espetáculo fica por conta daqueles atletas do estilo ‘trator’, perfeitas muralhas humanas, ou os ‘papaleguas’, que atravessam o campo desviando todos os obstáculos até chegar a aclamada end zone. Até quem não conhece o esporte fica boquiaberto.

De acordo com o presidente do Cuiabá Arsenal, Paulo César Ribeiro, o primeiro campeonato estadual se mostrou acima das expectativas em relação à torcida e ao nível dos atletas. “Tivemos um ótimo público em todos os jogos e inúmeras revelações como, por exemplo, o Leonardo, jogador do arsenal de apenas 16 anos”, conta.

Para ele, as equipes mostraram muita garra e uma ótima evolução dentro de campo, além de serem muito bem organizadas fora dele. Outro fato que contribuiu para a participação de muitos fãs foi a estrutura dos jogos já que a maioria deles foram realizados em grandes estádios, o que também demonstra a evolução do esporte.

Por: Caroline Pinnow