Foto: Divulgação / Conmebol


Pela terceira rodada da Copa América, Uruguai e Chile empataram em 1 a 1 na Arena Pantanal. Com um gol em cada etapa, a seleção chilena foi a cinco pontos em três jogos, enquanto a Celeste somou seu primeiro ponto na competição continental, com uma partida a menos. Apenas um time não irá avançar para a próxima fase e, por enquanto, é a Bolívia quem vai sendo eliminada no Grupo A.

A partida começou com o Chile liderando a chave, com quatro pontos, e o Uruguai sem pontuar, depois de perder na estreia para a Argentina, no estádio Mané Garrincha. A seleção uruguaia entrou em campo com quatro jogos de jejum e sem marcar nenhum gol nessa sequência. Visando dar mais qualidade na troca de passes no setor de meio-campo, o treinador Óscar Tabáres lançou Giorgian De Arrascaeta como titular, atrás da dupla Edinson Cavani e Luis Suárez.

No primeiro tempo, o Uruguai teve mais volume de jogo e ficou a maior parte do tempo no campo ofensivo, mas foi o Chile quem inaugurou o placar. A seleção celeste finalizou sete vezes a gol, contra apenas três do time chileno, que foi mais preciso e, com a única bola no alvo, balançou a rede, aos 26 minutos.

Eduardo Vargas dominou na meia direita e tabelou com Ben Brereton. O atacante do Atlético Mineiro recebeu, invadiu a área e soltou um chute forte cruzado para vencer o goleiro Fernando Muslera: 1 a 0. Com o tento marcado, Vargas ficou a três gols de se tornar o maior artilheiro da história da Copa América.

Ainda no intervalo, Óscar Tabáres mexeu na equipe e colocou em campo o lateral-direito Cáceres e o volante Nández.

Precisando do resultado, a seleção uruguaia começou a etapa final com mais posse de bola e pressionando no campo de ataque. Quando conseguiu acertar o alvo, o gol saiu logo na sequência.

O meia Facundo Torres, que entrou no lugar de Giorgian De Arrascaeta, acertou um chute forte, de pé esquerdo, e exigiu boa intervenção do goleiro Claudio Bravo, espalmando para escanteio. Após a cobrança, Vecino desviou de cabeça e Luis Suárez se antecipou a Arturo Vidal na segunda trave para colocar um ponto final no jejum de gols da Celeste: 1 a 1.

Na etapa final o Uruguai fez uma pressão intensa, tendo 61% de posse de bola e finalizando nove vezes a gol. O problema foi a precisão, já que deste número, apenas uma bola acertou a meta adversária.

Aos 33 minutos, Luciano Arriagada teve a chance de colocar o Chile novamente em vantagem, mas desperdiçou, cara a cara com Muslera. O atacante recebeu a bola dentro da área, chapou para jogar no canto esquerdo do goleiro, mas tirou demais e jogou pela linha de fundo.

Cavani teve a chance de virar a partida, aos 40 minutos. O atacante recebeu cruzamento de Matías Viña pela esquerda, subiu mais que a zaga e cabeceou forte. A bola passou ao lado da meta de Bravo e por pouco não morreu no fundo do gol.

O Uruguai enfrenta a Bolívia na próxima rodada, no dia 24 de junho, novamente na Arena Pantanal, em Cuiabá. Já o Chile joga contra o Paraguai, no mesmo dia, no estádio Mané Garrincha, em Brasília.  

Por: Gabriel Barros / Olhar Esportivo