Gilson Lustoso de Lira, esse é o nome do maior artilheiro da história do União Esporte Clube. Nascido em Natal (RN), em 7 de março de 1948, Gilson marcou 199 gols pelo colorado, entre 1975 e 1980.

Gilson Lira era atacante e foi jogador profissional entre 1967 e 1980, seu primeiro clube foi o Bangu (RJ), em seguida vieram Grêmio de Maringá (PR), Náutico (PE), Galícia (BA), ABC (RN), Grêmio Anapolino (GO), Operário (MT), Comercial (MS) e União (MT).

Contemporâneo de outros craques como Bife e Ruiter, Lira jogou na época áurea do futebol mato-grossense. O artilheiro marcou 684 gols na carreira e, além de ser o maior goleador do Colorado de Rondonópolis, é o maior artilheiro de Mato Grosso, superando Bife (285 a 274).

Em Mato Grosso, o clube que abriu as portas para Gilson foi o Operário de Várzea Grande, em 1973. Logo em seu primeiro ano foi campeão estadual e artilheiro da competição, com 14 gols. Pelo União, foi vice-campeão estadual em 1975, sendo artilheiro do Campeonato Mato-Grossense mais três vezes: em 1975 (15 gols), 1976 (23 gols) e 1979 (14 gols).

A história de Lira no União teve uma interrupção entre o 2º semestre de 1976 até o fim de 1977, quando o potiguar atuou pelo Comercial de Campo Grande.

Com a camisa do time de Rondonópolis, Gilson Lira conquistou o Torneio Incentivo de 1975, 1976 e 1979. Encerrou a carreira em 1980, em uma partida contra o Villa Nova de Lima (MG), pela Taça de Prata (antiga Série B do Brasileirão), marcando o gol da vitória do União por 1 a 0, aos 44’ do 2º tempo.

Curiosidades

Flamenguista de coração, Gilson Lira atuou nas categorias de base do Fluminense, antes de virar profissional no Bangu.

Após encerrar a carreira, o goleador teve uma curta carreira de treinador nos times rondonopolitanos Vila Aurora e União. Tornou-se cronista esportivo e narrador da Rádio Juventude de Rondonópolis e ainda chegou a ser apresentador na TV Gazeta.

Gilson Lira é um estudioso, conciliou a sala de aula com o futebol, formou-se no curso de Licenciatura de História e Filosofia da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), fazendo pós-graduação e se tornando professor, hoje aposentado. É escritor e poeta, mantendo um site que incentiva a leitura por meio da doação de E-books para estudantes.

Frase

“Eu costumo dizer que não me considerava craque, mas sim artilheiro. Craque em Mato Grosso era o Bife, que só fazia gols de placa. Os meus, geralmente, eram de canela, de bico, rebote de goleiros e furada de zagueiros”.