Cuiabá,

quarta-feira, 1

de 

dezembro

 de 

2021
.

Rexona neutraliza ‘crias’, supera freguês Finasa e é hexa na Superliga

Único pentacampeão da Superliga feminina de vôlei, o Rexona-Ades fez questão de minimizar o favoritismo ao longo de toda a competição, encerrada neste sábado, no ginásio do Maracanãzinho. No entanto, mesmo após perder duas jogadoras importantes para o principal rival, a equipe comandada pelo técnico Bernardinho conseguiu manter o alto nível e conquistou o sexto título nacional com a vitória sobre o freguês Finasa/Osasco por 3 sets a 2, com parciais de 25-22, 21-25, 18-25, 27-25 e 15-12, no ginásio do Maracanãzinho.


O fato de perder as campeãs olímpicas Thaísa e Sassá para o Finasa era apontado pelo técnico Bernardinho como um dos principais fatores para colocar o adversário como o principal candidato ao título por ter melhor elenco. Mas com ‘apenas’ duas atletas de seleção em seu elenco, o Rexona conseguiu manter a hegemonia recente ao levantar o troféu pela quarta vez consecutiva – todas em finais contra o time de Osasco.


Porém, a equipe carioca precisou salvar um match point no quarto set antes de celebrar o título. O Finasa teve 24 a 23, mas não converteu a chance e depois permitiu a recuperação do Rexona, que ganhou o tie-break também de virada.


“Essa foi uma vitória da confiança, da fé. A gente mostrou que a gente era competitivo. Mesmo com o placar adverso, continuamos jogando, buscando. Desde o começo do ano a gente sabia que ia ser difícil, mas mostramos que não íamos vender barato”, disse Bernardinho após o triunfo.


O clássico do vôlei feminino começou com o equilíbrio que já era esperado. As equipes foram se alternando no marcador durante o primeiro set. O Finasa explorava a força do bloqueio de Thaísa, enquanto as rivais apresentavam uma defesa difícil de ser vencida.


Nenhuma das duas equipes conseguiu se distanciar no placar e a decisão do set ficou guardada para o final. O Finasa teve uma chance de abrir vantagem quando o marcador estava empatado em 21 a 21, porém, a equipe de Osasco perdeu a oportunidade. Sem bobear, o Rexona aproveitou e conseguiu fechar o set em 25-22, em 25min.


O Finasa chegou ao segundo tempo técnico com quatro pontos à frente do rival. Melhor bloqueadora da competição, Adenízia utilizou sua principal arma à favor da equipe paulista, que abriu ainda mais, com dois pontos seguidos de bloqueio da meio-de-rede (21-14). Ela ajudou o seu time fazer seis bloqueios contra apenas um das adversárias no set.


Como as bolas com Regiane e Carol Gattaz não funcionavam, a levantadora Dani Lins recorreu à campeã olímpica Fabiana para manter o Rexona com chances no segundo set. Após dois erros consecutivos de ataque de Natália pela diagonal – o primeiro muito contestado pelo time de Osasco -, a equipe carioca encostou no marcador (23-20).
Mas a vantagem obtida ao longo do set fez a diferença e mesmo com os erros, o Finasa chegou ao 25º ponto com tranquilidade, em ataque pelo meio de Thaísa, fechando em 25-21.


A equipe de Osasco manteve o ritmo da segunda parcial e voltou a ter o controle do jogo no período seguinte. Novamente, o Finasa conseguiu uma vantagem suficiente para não sofrer com seus próprios erros. Depois de ver Carol Albuquerque pecar na bola de segunda e Sassá e Adenízia pararem no bloqueio, o técnico Luizomar de Moura sentiu o crescimento do Rexona, que ficou apenas um ponto atrás.


Mas um ponto de bloqueio foi suficiente para recolocar o Finasa em boa situação na parcial. O panorama melhorou ainda mais com a excelente passagem da campeã olímpica Carol Albuquerque no saque. Após ver o árbitro mandar voltar um ponto, a levantadora fez cinco aces seguidos. Em seu sexto serviço, a jogadora quebrou o passe das rivais e Natália aproveitou o contra-ataque para colocar a bola no chão (23-15).


Depois de colocar a experiente Virna, Bernardinho apostou em Amanda para o saque. A reserva correspondeu em bom serviço que atrapalhou a ação rival e o Rexona diminuiu em contra-ataque. Porém, o terceiro set terminou exatamente como a parcial anterior, com ponto de ataque de Thaísa (25-18).


O Rexona teve o domínio do quarto set e parecia que a diferença de quatro pontos no 16-12 era suficiente para a equipe se manter à frente até o fim. Depois de um ataque para fora de Érika, o Finasa foi tirando a vantagem aos poucos.


Não demorou e o time de Osasco alcançou o empate em 20-20. Daí em diante, a tensão tomou conta das arquibancadas. As duas equipes se alternaram no marcador, mas o Rexona foi mais eficiente, fechou o set em 27-25 e levou a decisão no Maracanãzinho para o tie-break.


O Finasa começou o tie-break na frente, abriu uma vantagem de dois pontos, que se seguiu até o empate de 7-7. Monique apareceu muito bem pelo lado do Rexona e ganhou a confiança da levantadora Dani Lins, que passou a acionar bastante a atleta. Em um ataque de Natália, o Finasa chegou a fazer 11-10. No entanto, os erros atrapalharam o time de Osasco, que acabou derrotado com mais um ponto de Monique.

Notícias Relacionadas

Comentários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui